Rússia denuncia roubo de equipamento do seu "avião do juízo final"

Aparelho está preparado para servir como centro de comando em caso de ataque nuclear.

A Rússia fez soar os alarmes por causa do roubo de material sensível do seu "avião do juízo final", desenhado para ser usado caso a Rússia seja alvo de um ataque nuclear.

O Ministério do Interior russo disse que a polícia na cidade de Taganrog, no sul do país, foi alertada para o roubo de equipamento no valor de um milhão de rublos (mais de 11 mil euros) de um avião Ilyushin Il-80 (que é uma modificação do Ilyushin Il-86), que estava numa base aérea.

O porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitry Peskov, descreveu o caso como uma "situação de emergência" e prometeu que "medidas serão tomadas para impedir que isto aconteça no futuro".

As autoridades não divulgaram o que foi roubado, mas investigadores foram enviados para o local.

A cidade portuária de Taganrog, a mais de 1100 quilómetros de Moscovo, é a sede da companhia aérea Beriev, que é controlada pelo estado e tem apresentado dificuldades.

Segundo a estação de televisão REN-TV, equipamento de rádio foi roubado de um avião Il-80 que estava em manutenção em Taganrog.

Os ladrões terão entrado por uma escotilha na zona da carga, tendo sido encontradas impressões digitais e de um sapato no interior do aparelho. De acordo com a mesma fonte, 12 pessoas foram interrogadas e oficiais com acesso à base aérea podem ter estado por detrás do roubo.

O avião em causa será um de quatro centros de comando voadores, construído para retirar o presidente e outros altos-responsáveis em caso de uma explosão nuclear.

O primeiro avião do género terá voado pela primeira vez em 1985. O aparelho está preparado para resistir a pulsos eletromagnéticos e não tem quase janelas, para impedir que a tripulação ou os passageiros fiquem temporariamente cegos com os efeitos de uma explosão nuclear.

Os EUA têm aparelhos do género que também podem servir como centros de comando. São os E-4B Nightwatch e têm como base um Boeing 747.

Os especialistas estão divididos em relação à importância do material roubado, havendo quem alegue que o aparelho terá ficado inoperacional. Segundo os peritos, o equipamento da era soviética terá sido roubado para ser vendido como sucata, não se sabendo em que condições estava.

Além disso, enquanto uns desvalorizavam a importância do equipamento para a segurança nacional, outros indicaram que foi um erro grave por ser uma violação de material classificado. E que alguém acabará despedido por isso.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG