Quatro mortos durante transferência de prisão no Brasil onde ocorreu massacre

O governo do Pará informou que 30 reclusos da mesma fação estavam a ser transportados da cidade de Altamira para Marabá, depois do motim no Centro de Recuperação Regional, quando houve uma briga que resultou na morte de quatro deles.

Quatro reclusos foram assassinados esta madrugada dentro de um camião enquanto eram transportados para uma outra prisão, após terem participado nos confrontos que causaram 58 mortos, no estado brasileiro do Pará, anunciou o governo local.

Em comunicado, o governo do Pará informou que 30 reclusos da mesma fação estavam a ser transportados da cidade de Altamira para Marabá, depois do motim no Centro de Recuperação Regional, quando houve uma briga que resultou na morte de quatro deles.

"[Os reclusos no camião] eram da mesma fação e viviam juntos nas mesmas celas. Foram comparsas no confronto entre fações. Durante o transporte, estavam algemados, divididos em quatro celas. A capacidade das celas era para até 40 presos, e 30 eram transportados. O Estado não possui camião com celas individuais", lê-se no comunicado.

"A ação criminosa ocorreu entre 19 horas e a uma hora da manhã. Ao chegar a Marabá, os agentes encontraram quatro presos mortos por sufocamento em duas celas. Todos os 26 presos remanescentes serão colocados em isolamento. As razões deste facto lamentável estão a ser investigadas", acrescentou.

Na última segunda-feira, um motim causou 58 mortos na prisão de Altamira, onde pelo menos 16 homens foram encontrados decapitados.

Segundo informações confirmadas pelas autoridades locais, a rebelião começou por volta das 07:00 (11:00 em Lisboa) quando começava a entrega do pequeno-almoço na prisão. Houve um tumulto e dois agentes prisionais chegaram a ser mantidos reféns.

Após o motim, o governo regional do Pará determinou a transferência imediata de 46 reclusos envolvidos no confronto.

Dezesseis deles foram identificados como líderes das fações criminosas Comando Classe A (CCA) e o Comando Vermelho (CV) que estão diretamente envolvidas no motim.

Mais Notícias