Polémica em França por causa do "dia do burkini" num parque aquático

O presidente da câmara de Pennes-Mirabeau onde se situa o parque aquático disse que vai proibir a manifestação na localidade por poder perturbar a ordem pública

A organização de um "dia do burkini", fato de banho islâmico, por uma associação de mulheres muçulmanas num parque aquático privado do sul de França desencadeou a indignação das autoridades locais, que exigiram a sua proibição.

A associação de mulheres, que trabalha nos bairros do norte de Marselha atingidos pela pobreza, reservou o Speed Water Parc para o dia 10 de setembro, com o aviso às participantes de que "não venham com duas peças", mas com um fato de banho escondendo o corpo "do peito aos joelhos".

"O parque autoriza excecionalmente Burkini/Jilbeb (túnica) de banho", está também escrito no anúncio da associação Smile 13. Na rede social Facebook, a associação esclarece que a indumentária imposta se explica pela presença de "professores de natação homens".

"As crianças do sexo masculino são autorizadas até aos dez anos", precisa-se ainda.

O presidente da câmara de Pennes-Mirabeau, uma cidade de 20.000 habitantes onde se situa o parque aquático, anunciou que vai emitir "uma ordem municipal proibindo aquela manifestação na localidade pelo motivo de ser suscetível de perturbar a ordem pública".

"Considero este evento uma provocação de que não precisamos no atual contexto. É comunitarismo puro e simples", declarou hoje ao jornal Le Parisien/Aujourd'hui em França este autarca de esquerda, Michel Amiel, também senador.

A deputada dos Republicanos (direita) Valérie Boyer afirmou, na rede social Twitter, que "aceitar esta autodenominada moda é fortalecer o comunitarismo no nosso país, uma questão de respeito dos nossos princípios fundamentais".

Segundo o presidente da junta de freguesia de um bairro de Marselha, Stéphane Ravier, da Frente Nacional (extrema-direita), "este dia islâmico demonstra que, apesar dos discursos tranquilizadores das autoridades muçulmanas, um determinado número de muçulmanos se exclui voluntariamente do nosso modelo republicano e se coloca a si mesmo à margem da nossa sociedade".

Um deputado municipal socialista de Marselha, Stéphane Mari, pediu à direção do parque aquático para desistir da iniciativa.

"Manter este tipo de manifestação, que será, sem dúvida nenhuma, amplamente mediatizada, é desferir um golpe no nosso modelo republicano e favorecerá, mais uma vez, o partido daqueles que hasteiam as bandeiras do ódio e da exclusão", defendeu.

O uso de trajes islâmicos no espaço público é malvisto em França, onde o véu é proibido nas escolas e às funcionárias de serviços públicos.

O surgimento do "burkini" e de hijabs em coleções de moda foi criticado em março pela ministra socialista dos Direitos das Mulheres, Laurence Rossignol, que nele viu "a promoção do confinamento do corpo das mulheres".

Mais Notícias