Marcas de luxo fazem contas aos custos dos protestos de Hong Kong

Marcas de luxo globais como a Prada e a Cartier estão a avaliar o custo para os seus negócios de quatro meses de agitação em Hong Kong que tem mantido os turistas afastados e forçado as lojas a fechar, com os resultados previstos que revelarão os danos.

Hong Kong, que está entre os cinco principais destinos de luxo do mundo, tem sido um íman para as marcas atraídas pelo fluxo de visitantes da China continental. A cidade representa entre 5% e 10% das vendas globais anuais de bens de luxo estimadas em 285 mil milhões de dólares, de acordo com analistas da Bernstein.

Mas os dados de quarta-feira mostraram que as vendas a retalho caíram 23% em agosto em relação ao ano anterior -- a maior queda de sempre -- enquanto o valor das vendas de jóias, relógios e outros itens valiosos diminuiu 47.4%.

A chegada de visitantes caiu 39%, com o número de turistas do continente para Hong Kong a cair 42,3%.

"Não vemos nenhuma luz ao fundo do túnel", disse a presidente da Hong Kong Retail Management Association, Annie Yau Tse.

Depois do início das demonstrações pró-democracia em junho, o impacto nos resultados do segundo trimestre foi silenciado, mas espera-se que isso mude nos resultados do terceiro trimestre, já que as marcas, da Hermès à Tiffany, debatem-se com o encerramento de lojas", disse a presidente da Hong Kong Retail Management Association, Annie Yau Tse.

O analista da RBC Rogerio Fujimori, que acaba de visitar Hong Kong, estima que a maioria das marcas irá sofrer quedas de vendas entre 30% e 60% no terceiro trimestre. A Bain & Co agora vê o setor de luxo global a crescer este ano no fim da faixa de 4% a 6%, disse a analista Claudia D'Arpizio.

Os fabricantes de relógios em particular deverão ser atingidos -- Hong Kong é o maior centro para relógios de alta gama -- e o suíço Swatch Group e o proprietário da Cartier, Richemont, confiam em Hong Kong para 11% a 12% de suas vendas globais.

Cerca de 30 grandes centros comerciais tiveram de fechar durante protestos antigovernamentais que se tornaram violentos no dia 1 de outubro, tendo manchado as celebrações do 70.º aniversário da fundação da República Popular da China.

O encerramento ocorre durante o período dos feriados da Semana Dourada -- geralmente um dos períodos mais movimentados para os comerciantes da cidade.

"Os negócios foram obviamente muito afetados. Estávamos a perder muitas vendas e agora os encerramentos tornam tudo mais difícil. É muito mais difícil conseguirmos clientes", disse um vendedor da Gucci na loja da marca no centro comercial Pacific Place à Reuters, falando sob condição de anonimato.

Lojas fechadas

A marca de joalharia norte-americana Tiffany, que tem Hong Kong como o seu quarto maior mercado, afirmou que o impacto nos seus negócios tem sido significativo, embora tenha investido em novas lojas -- tanto em Hong Kong como na China continental -- o que espera ajudar a contrariar algumas das perturbações nas suas vendas.

"O movimento nos centros comerciais não está onde costumava estar, e nós também estamos com dificuldades para manter as nossas lojas abertas", disse o CEO Alessandro Bogliolo à Reuters. no final de agosto.

A francesa Hermès, que faz malas de couro Birkin no valor de mais de dez mil dólares, disse em setembro que foi forçado a fechar temporariamente algumas de suas cinco lojas, bem como uma loja no aeroporto de Hong Kong.

A Chanel suspendeu um desfile de moda previsto para 6 de novembro para apresentar a coleção Cruise, dizendo que isso aconteceria num "momento posterior e mais apropriado".

Mas a maioria das empresas não estão a reorientar os seus planos de negócios mais radicalmente ainda e a Tiffany avançou com a abertura da sua loja emblemática One Peking Road em setembro, tal como planeado.

Algumas marcas de luxo, como a LVMH, provavelmente serão capazes de absorver o impacto graças ao aumento da procura na China continental e noutros países asiáticos - tal como disse a Hermès.

A LVMH, que fatura cerca de 6% de sua receita em Hong Kong, inicia a temporada de relatórios da indústria em 9 de outubro.

O grupo recusou-se a comentar sobre o impacto dos protestos até agora. Os seus grandes motores de vendas como o fabricante de bolsas Louis Vuitton ou a marca de moda Christian Dior têm desfrutado de forte procura nos últimos meses na China continental, em sintonia com as tendências na líder Gucci, da Kering.

Turistas chineses compram noutros lugares

Muitos turistas ricos chineses vão fazer compras ao Japão em vez de Hong Kong, disse uma fonte da indústria. Coreia do Sul, Austrália e Singapura também estão a beneficiar do declínio de Hong Kong, dizem os analistas.

Os clientes chineses também têm sido incentivados a fazer compras em casa com os cortes do governo nas taxas de importação e no IVA. Mas algumas marcas em modo de recuperação, incluindo a italiana Tod's ou a marca de moda Prada não viram um salto tão grande no continente quanto a LVMH ou Hermès.

"Para aqueles grupos que têm uma rede de retalho bem desenvolvida em toda a Ásia, os protestos de Hong Kong não significam necessariamente perder dinheiro", disse Luca Solca, analista da Bernstein.

Como exemplo, Solca disse que o fabricante de blusões de inverno Moncler (MONC.MI), cujo CEO Remo Ruffini emitiu um comunicado cauteloso sobre as perspectivas do grupo para 2019 por causa da turbulência, tem cerca de 30% menos lojas na China continental do que a Gucci ou a Vuitton.

Os bens de luxo em Hong Kong também são mais baratos do que na China continental - no caso da moda, o preço pode baixar para metade.

"Alguns chineses poderiam decidir comprar menos itens - ou simplesmente esperar que o protesto termine, quando quer que seja", disse Solca.

Entretanto, as empresas de luxo estão a pedir aos proprietários de Hong Kong que reduzam as suas rendas altíssimas.

A imprensa local diz que a Prada planeia sair da sua loja de 1.400 metros quadrados em pleno coração comercial de Hong Kong no próximo ano, devido à diminuição das vendas. Analistas da Jefferies disseram que o proprietário do edifício está a negociar um corte de 44% nos custos de arrendamento. A Prada recusou-se a comentar.

Todas as grandes marcas estão a tentar renegociar as condições de aluguer, de acordo com uma segunda fonte da indústria, uma vez que procuram amortecer o impacto dos protestos.

Mais Notícias