Kamala Harris: a vice que poderá ser a primeira mulher presidente dos EUA

Quem é Kamala Harris? Uma pergunta que será respondida na íntegra nos próximos meses, apesar do lugar secundaríssimo que a vice-presidência costuma ter nos Estados Unidos. Um cargo que, no entanto, já levou vários vices a tornarem-se presidentes.

No Twitter, após saber que o seu parceiro de candidatura acabara de se tornar o próximo presidente dos Estados Unidos da América, Kamala Harris escreveu duas palavras fundamentais: "Conseguimos, Joe". Depois acrescentou: "Vais ser o próximo presidente dos EUA".

Apesar da tensão dos últimos dias de contagem de votos, tudo indiciava a hipótese de uma vitória Democrata e, além de Joe Biden, a ida para a Casa Branca de Kamala Harris. A mulher sobre quem Donald Trump afirmou que "os americanos não gostam dela" durante a campanha na Carolina do Norte. E fo imais longe ao dizer: "Ela nunca poderá ser a primeira mulher presidente, isso seria um insulto ao nosso país".

Poucas semanas depois destas palavras, Kamala Harris atinge a posição que Trump não admitia. Aliás, os trocadilhos com o seu nome foram frequentes na sua boca, como na do senador Perdue que brincou assim: "KAH'-mah-lah? Kah-MAH'-lah? Kamala-mala-mala? Não sou capaz de acertar. Tanto faz."

Não faltaram outros insultos de Trump contra Kamala Harris e "monstro" foi um deles, proferido numa entrevista ao canal Fox Business: "Este monstro que esteve no debate com Mike Pence. Ela esteve muito mal, creio que não conseguiriam [os democratas] pior". Os comentadores norte-americanos fizeram questão de sublinhar que esse adjetivo era reservado pela Casa Branca para terroristas e assassinos.

Kamala considerou essas afirmações como "criancices" e Joe Biden referiu que Trump "tinha uma grande dificuldade em lidar com mulheres fortes".

Se esse tipo de ataques alegadamente favoreceram Trump na campanha presidencial de 2016, desta vez o ataque ao eleitorado feminino não o beneficiou. Nem deixou de ser observado que esses ataques se destinavam também a mulheres de cor, já que Kamala Harris é a primeira negra a chegar à presidência.

Em poucas palavras, Kamala Harris será a primeira mulher afro-americana, a primeira mulher asiática-americana e a primeira vice-presidente mulher dos Estados Unidos.

O trunfo Kamala Harris

A inclusão de Kamala Harris na candidatura de Joe Biden teve o grande efeito de mobilizar os eleitores negros numa época em que os protestos contra o racismo nos EUA atingiram proporções inesperadas, como no rescaldo da morte de George Floyd.

Mas Kamala foi confirmada como vice de Joe Biden no seguimento de uma promessa feita em março enquanto ainda competia com o outro candidato democrata, Bernie Sanders.

A senadora da Califórnia foi a escolha de Joe Biden e confirmou a mensagem de que era o candidato que não marginalizava as mulheres no geral, bem como as mulheres negras e também as descendentes de imigrantes.

Apesar de agora ser olhada como vencedora, Kamala começou por ser perdedora. Apresentou-se como pré-candidata à Casa Branca e até obteve resultados excecionais entre as sondagens no Partido Democrata, mas foi perdendo apoios e desistiu.

Antes, Kamala Harris exercera o cargo de promotora de Justiça, uma situação que ensombrou a sua carreira por deixar-se fazer parte de um sistema muito injusto. Um passado que lhe criou ainda alguma dissidência entre a comunidade negra mas que foi diminuindo ao tornar-se uma dura oposicionista a alguns juízes nomeados para o Supremo e à designação do secretário de Justiça propostos por Donald Trump.

Ao tornar-se a primeira vice-presidente em 244 anos da história dos Estados Unidos, o simbolismo das suas origens - e na prática - é muito importante pois desfocam os representantes dos supremacistas brancos e, segundo alguns comentadores, "a América volta a parecer mais o que era".

Candidata também a presidente...

Um factor a ter em conta nesta eleição de Kamala Harris é a idade do sucessor de Donald Trump: 78 aos no dia da tomada de posse. Qual será a vontade de Biden em concorrer a um segundo mandato? O que se diz é que não terá essa ambição... Ou seja, Kamala Harris poderá ser a personalidade mais provável para o suceder e tornar-se na primeira mulher americana presidente. Uma situação ambicionada por Hillary Clinton e que não foi capaz, pois não arrebatou o eleitorado.

A reação à eleição de Biden por parte de Kamala Harris foi clara no significado da sua nova posição. No Twittter, Harris escreveu: "Esta eleição é muito mais do que Joe Biden ou eu. É sobre a alma da América e da nossa força para lutar por ela. Temos muito trabalho à nossa frente. É tempo de começar."

As reações generalizadas, designadamente dos representantes das comunidades negras norte-americanas e de movimentos como o Black Lives Matter, foram imediatas na valorização desta vitória e, principalmente, enfatizando as origens de Kamala Harris.

É o caso do rabi Michael Adam que publicou um tweet em que dizia: "As minhas filhas não irão crescer num mundo em que não existia uma mulher negra como vice-presidente!"

A filha de uma indiana e um jamaicano

Kamala irá assumir o cargo a 20 de janeiro, mas a sua história começou nesse mesmo dia em outubro de 1964. Nasceu em Oakland, Califórnia. É filha de uma indiana e de um jamaicano.

Formou-se pelas universidades de Howard e da Califórnia e pelo Hastings College of the Law.

Começou a trabalhar como promotora do Alameda County District, seguindo-se posições semelhantes em São Francisco. Em 2003, tornou-se promotora de São Francisco e em 2010 a procuradora-geral da Califórnia, sendo reeleita em 2014.

Em 2016, foi eleita senadora pela Califórnia, sendo uma das críticas do governo Trump. Essa atitude fez com que fosse vista como potencial candidata à nomeação democrata para a eleição presidencial de 2020. Que formalizou em 2019, mas não foi além de dezembro. Em agosto passado foi a escolha de Joe Biden para vice-presidente.

Mais Notícias