Furacão Irma perde intensidade e passa para categoria 4

Autoridades de vários países continuam preocupadas

O furacão Irma, que tem fustigado as Caraíbas e está a dirigir-se para os Estados Unidos, diminuiu de intensidade esta sexta-feira e passou agora para a categoria 4, a segunda mais alta, o que significa que ainda pode provocar grandes danos. Registam-se neste momento rajadas de ventos de 250 km/hora, segundo a Reuters.

O olho do furacão chegou hoje à ilha Inagua, no sul das Bahamas, com ventos máximos até 260 quilómetros por hora.

O furacão está agora a 840 quilómetros a este-sudeste de Miami (Estados Unidos), onde é esperado domingo.

Este fenómeno é, segundo o instituto meteorológico francês, o mais longo furacão de categoria 5 alguma vez registado no mundo, com ventos de 298 Km/hora durante pelo menos 37 horas. Em alguns locais, foram registadas rajadas de vento superiores a 360 quilómetros por hora.

Irma causou até agora mais de 14 mortos à passagem pelas várias ilhas das Caraíbas e obrigou cerca de 700 mil pessoas a deixarem as suas casas em Cuba e mais de 19 mil na República Dominicana.

Cerca de 1,2 milhões de pessoas foram já afetadas pela passagem do Irma nas Caraíbas, um número que poderá alcançar os 26 milhões de pessoas, de acordo uma previsão divulgada hoje pela Cruz Vermelha Internacional.

O furacão pode atingir o norte de Cuba esta sexta-feira à noite ou no sábado de manhã e depois evoluir para a costa sudeste dos Estados Unidos, atingindo primeiro a Florida e depois a Geórgia e a Carolina do Sul.

Três furacões estão a progredir em simultâneo no Atlântico, depois das tempestades José e Katia passarem a esta categoria, juntando-se assim ao Irma.

O furacão José, que se encontra no Atlântico a 950 quilómetros a este das Antilhas Pequenas, evoluiu para a categoria 3, com ventos de 195 km/h, segundo o Centro Norte-Americano e Furacões.

Do outro lado do Golfo do México, 300 quilómetros a nordeste da cidade mexicana de Veracruz, está o furacão Katia, com ventos de 120 quilómetros horários, que devem aumentar nas próximas 48 horas.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG