Ex-polícia acusa Duterte de ordenar assassínios quando era autarca

Antigo polícia acusa presidente de ter contratado assassinos

Um ex-polícia filipino admitiu hoje a existência de "esquadrões da morte" dirigidos por Rodrigo Duterte quando este era presidente da câmara de Davao e acusou o Presidente do país de contratar assassinos a soldo para matar opositores.

"O esquadrão da morte de Davao é real", assegurou Arturo Lascañas, agente da polícia nacional até ao passado mês de dezembro numa conferência de imprensa transmitida pela televisão no Senado.

O ex-polícia, que compareceu no Senado a pedido do grupo de assistência legal gratuita sob a égide da ONU, assegurou que "por cada morte, o presidente da câmara Duterte pagava-nos 20 mil pesos (375 euros) e por vezes 50 mil (935 euros) ou 100 mil (1.875 euros)".

Lascañas, que foi um dos polícias mais próximos de Duterte nos seus mais de 20 anos como presidente da câmara de Davao em vários períodos desde 1988 até 2016, tinha negado no passado mês de outubro no Senado a existência dos esquadrões da morte.

Entre palavras de arrependimento e lágrimas, o ex-agente qualificou hoje a sua anterior declaração como "total mentira" e confessou a sua participação em alguns dos assassínios presumivelmente ordenados pelo atual Presidente do país.

Em concreto, Lascañas explicou como Duterte lhe deu três milhões de pesos (56.025 euros) para contratar um assassino a soldo que, após duas tentativas falhadas, acabou em 2003 com a vida de Jun Pala, um comentador de rádio crítico da gestão do então autarca.

No caso do líder religioso, Jun Barsabal, assassinado em 1993 por alegada ocupação ilegal de terras, o ex-polícia confessou que o então presidente da câmara lhe deu ordem direta para "o matar".

Lascañas acompanhou a sua confissão com uma declaração em que assegurou que está disposto a declarar o mesmo perante qualquer organismo governamental, incluindo o Senado.

A câmara alta já investigou no ano passado o tema dos "esquadrões da morte de Davao", a que são atribuídas mais de mil mortes, sem que fossem encontradas provas suficientes para demonstrar a sua existência.

A inesperada declaração de Lascañas pode servir para recuperar o caso depois de outro ex-membro dos esquadrões, Edgar Matobato, ter acusado pela primeira vez Duterte de assassínios, no passado mês de dezembro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG