Empresário português assassinado em França

Adriano Caetano foi encontrado morto no seu escritório, nos arredores de Paris, degolado e com pelo menos oito facadas no corpo.

O empresário Adriano Caetano, de 64 anos, foi assassinado em França. O português foi encontrado morto no escritório da empresa, em Montfermeil, nos arredores de Paris, degolado e com pelo menos oito facadas no corpo, de acordo com o site LusoJornal.

A versão divulgada por vários órgãos de comunicação franceses de que o homem terá morrido devido a pelo menos oito golpes de arma branca no tórax e na garganta foi confirmada à agência Lusa por Maria Pinto, presidente do rancho Alegria Dos Emigrantes, com sede em Montfermeil.

"Não tenho outra informação para além daquilo que já se sabe. [...] Ele era uma pessoa conhecida na comunidade e que já cá estava há bastantes anos", afirmou Maria Pinto, que disse ainda haver muitos portugueses nesta cidade da região parisiense.

O corpo foi encontrado pelos bombeiros na noite de segunda-feira depois do alerta feito por amigos da vítima. O crime decorreu na cave de uma moradia onde se situava o escritório da sua empresa.

Ainda segundo os relatos dos meios de comunicação franceses, a cave estaria fechada à chave quando as autoridades chegaram.

Adriano Caetano morava em Val-de-Marne e tinha o escritório da empresa de construção civil e trabalhos públicos num bairro residencial em Montfermeil, em Seine-Saint-Denis, numa rua considerada calma, refere a AFP.

De Colmeias, perto de Leiria, Adriano Caetano vivia em França há muitos anos e era "conhecido e admirado" na cidade, indica a publicação. O português criou empresas no ramo da demolição, aterros e construção civil.

O crime ocorreu na Avenue des Bégonias e a violência com que o empresário foi morto está a chocar a comunidade local, onde vivem muitos portugueses. Um casal amigo descobriu o corpo, através de uma janela do escritório da empresa, instalado no subsolo de uma vivenda. Nos andares de cima, os inquilinos não deram conta de nenhuma situação anormal, apenas a chegada da equipa de primeiros socorros que teve de arrombar a porta, que estava fechada á chave.

Preocupação entre a comunidade portuguesa

São ainda desconhecidas o que estará na origem deste crime, que está a ser investigado Brigada Criminal da Direção Regional da Polícia Judiciária.

"Enquanto não soubermos o que se passou exatamente, estamos preocupados. Aqui todos estamos preocupados. Agora começam também a degolar os portugueses...", disse ao LusoJornal um vizinho do empresário em Montfermeil, onde há duas associações portuguesas.

"Pode ter sido por ser português, pode ter sido por ser rico e ter dinheiro, pode ter sido por alguma razão pessoal, não sabemos de nada, mas por enquanto, confesso que estamos com medo. E se perguntar aqui a toda a gente, todos lhe vão dizer que estamos com medo", afirmou ainda o vizinho, que preferiu não ser identificado.

Mais Notícias