Emir de Dubai sequestrou as filhas e ameaçou a mulher

Mohammed bin Rached al-Maktum terá encomendado o sequestro de duas das suas filhas e ameaçado uma das suas mulheres, concluiu um tribunal britânico

O emir do Dubai encomendou o sequestro de duas das suas filhas e realizou uma "campanha de intimidação" contra uma ex-mulher, a princesa Haya da Jordânia, o que a forçou a fugir para o estrangeiro, considerou esta quinta-feira um tribunal britânico.

Estas conclusões foram alcançadas após uma batalha legal entre Mohammed bin Rached al-Maktum, 70 anos, que também é chefe do governo dos Emirados Árabes Unidos, e a princesa Haya, 45 anos.

Haya, que em 2004 se tornou a sexta mulher do emir, atraiu a atenção mundial no ano passado quando chegou a Londres acompanhada dos filhos para fugir do marido.

No Reino Unido foi iniciado um processo contra o emir, de quem, segundo ela, se divorciou secretamente no início de 2019.

A princesa pediu ao juiz da família do Supremo Tribunal de Londres proteção contra um casamento forçado que poderia envolver uma das filhas do casal. Também pediu proteção para ela e reivindicou a custódia dos filhos.

O xeque Mohamed bin Rashid al Maktum exige, por sua vez, o regresso dos seus filhos aos Emirados.

O juiz considerou que o emir "agiu, no final de 2018, de maneira a intimidar e assustar" a princesa.

A princesa Haya também pediu ao tribunal de Londres que se pronunciasse sobre o destino de duas filhas que o emir teve com outra das suas mulheres, Shamsa e Latifa. Segundo o magistrado, o emir "ordenou e orquestrou" o sequestro das duas.

Numa declaração, o emir denunciou uma sentença que "se refere apenas a uma parte do caso" e "não protege os filhos da atenção da comunicação social", pedindo que a privacidade da sua família fosse respeitada.

Em março de 2018, Latifa al Maktum, 32 anos, anunciou numa transmissão de vídeo no YouTube que queria fugir do país.

À beira das lágrimas, disse que o pai a "torturou" e "prendeu durante três anos" após uma primeira tentativa de fuga, quando era adolescente, em 2002.

Criticou um "pai que só pensa na própria imagem" e que "destruiu a vida de muitas pessoas".

O vídeo foi publicado porque a sua segunda tentativa de fuga, em 24 de fevereiro de 2018, falhou.

O governo do Dubai quebrou o silêncio sobre o assunto em 17 de abril de 2018, confirmando que a princesa havia sido "devolvida" à sua família e estava "bem".

Shamsa, nascida em 1981, tentou fugir do pai em 2000, quando passava férias em Inglaterra, aos 18 anos.

Segundo o relato de Latifa, a jovem foi encontrada após dois meses de fuga, foi "drogada", devolvida em um jato particular e "trancada".

Mais Notícias