Disse que seria o próximo a morrer depois de Marielle. E foi

João Figueiredo, agente e segurança de 36 anos, foi morto nas imediações de Natal no dia 21 de dezembro. Pertencia ao grupo Polícias Antifascistas, que não têm dúvidas de que se tratou de uma execução.

Não tinham passado nem 24 horas sobre a execução da vereadora Marielle Franco no Rio de Janeiro, na noite de 14 de março do ano passado, quando João Maria Figueiredo tomou o microfone no Fórum Social Mundial, em Salvador, para dizer "hoje ela foi a vítima, o próximo posso ser eu". Nove meses e uma semana depois, Figueiredo, membro do grupo Policiais Antifascismo, foi assassinado em Natal, capital do Rio Grande do Norte.

O polícia, de 36 anos, cumpria no dia 21 de dezembro, às 17.00, o percurso de sempre do trabalho para casa, na região norte de Natal, perto da periférica São Gonçalo do Amarante, quando foi atingido ao volante da sua moto por cinco tiros, três no lado direito do corpo e dois no lado esquerdo, junto à boca e ao ombro. Os assassinos levaram a arma e o telemóvel que Figueiredo transportava mas não mexeram no dinheiro e deixaram a moto no lugar do crime. A polícia ainda trabalha com a possibilidade de latrocínio - roubo seguido de morte -, além da hipótese de execução.

Segundo os quatro delegados de polícia que se ocupam do caso, "em princípio é homicídio e não latrocínio". "Tudo bem que não seria fácil tirar-lhe o dinheiro e ficar com a moto seria perigoso porque é facilmente localizável, mas ainda assim o facto de ter sido morto no percurso que fazia regularmente leva a crer que foi homicídio, sim, já ouvimos familiares nesse sentido, mas não podemos adiantar mais."

Ajuda à tese de homicídio o facto de as munições encontradas no local serem de calibre 40, de uso exclusivo da polícia, segundo informou a agência Saiba Mais. Para a tese contrária contribuem os números da violência no Rio Grande do Norte, o estado mais inseguro do país, com 68 mortes a cada cem mil habitantes e o registo de 26 agentes mortos só em 2018. A polícia também recorda que muitos projéteis calibre 40 estão hoje nas mãos de criminosos, após assaltos a esquadras.

Os integrantes do Policiais Antifascismo, a que Figueiredo pertencia, um grupo organizado nas redes sociais em 2017 a partir do Rio de Janeiro, não têm dúvidas, no entanto, de que se tratou de execução. "A gente não pode afirmar nada categoricamente mas tudo aponta para uma execução", diz Alexandre Santos, investigador da Polícia Civil de São Paulo, citado pelo jornal Folha de S. Paulo.

Santos afirma ter sofrido perseguições, dentro da própria polícia, por pertencer ao grupo de cerca de 400 agentes espalhados pelo país que defende o respeito aos direitos humanos, a descriminalização das drogas e outros pontos altamente minoritários nas forças policiais brasileiras.

O próprio Figueiredo, que atuava como segurança de Fernanda Bezerra (PT), a governadora do Rio Grande Norte e única mulher a desempenhar essas funções no Brasil, chegou a ser preso em 2016 pelo comando da Polícia Militar após criticar nas redes sociais o sistema de segurança pública do país.

Fernanda Bezerra, que considerava o soldado "um irmão", prometeu "firmeza numa cobrança séria e profunda sobre quem foram os responsáveis do crime".

A polícia tem 30 dias para investigar, mas o prazo é prorrogável.

Mais Notícias