Diretor executivo do TikTok anuncia a demissão do cargo

Kevin Mayer deixa de ser o CEO da empresa, na sequência da ordem executiva de Donald Trump que baniu a aplicação de vídeo dos Estados Unidos por alegadamente fazer espionagem dos utilizadores.

O CEO do TikTok, Kevin Mayer, anunciou a sua demissão da empresa, no momento em que aumentam as tensões entre Washington e Pequim a respeito da aplicação de propriedade chinesa.

A renúncia de Mayer acontece poucos dias depois de o TikTok iniciar um processo contra o Governo dos Estados Unidos pela pressão que exerce contra a plataforma, que acusa de espiar os seus utilizadores.

O TikTok está no centro de uma disputa diplomática entre Estados Unidos e China. O presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva em 6 de agosto na qual dá prazo de 45 dias aos americanos para deixar de fazer negócios com a empresa matriz do TikTok, a chinesa ByteDance.

O texto também estabelece o mesmo período para a venda do TikTok a uma empresa americana.

O TikTok, descarregado 175 milhões de vezes nos Estados Unidos, e mais de um bilião em todo o mundo, argumenta que a ordem de Trump é uma aplicação incorreta da Lei de Poderes Económicos de Emergência Internacional porque a plataforma, na qual os utilizadores partilham vídeos de curta duração, "não é uma ameaça incomum nem extraordinária".

Ex-executivo da Disney e no TikTok desde maio, Kevin Mayer afirmou numa carta aos funcionários que o "cenário político mudou drasticamente" nas últimas semanas.

"Neste contexto, e como esperamos chegar a uma resolução muito em breve, quero informar que, com grande pesar, decidi deixar a empresa", escreveu. "Entendo que a função para a qual fui contratado - incluindo administrar o TikTok globalmente - será muito diferente como resultado da ação do Governo americano de pressionar pela venda dos negócios dos Estados Unidos."

O TikTok também divulgou um comunicado: "Reconhecemos que a dinâmica política dos últimos meses mudou significativamente a abrangência do papel que Kevin teria no futuro, e respeitamos plenamente a sua decisão."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG