Conselheiros da Casa Branca alertam para disseminação "implacável" da covid-19

"Estamos a ir na direção errada", avisou o epidemiologista Anthony Fauci dando conta do agravamento da pandemia nos EUA. A equipa de resposta à covid-19 da Casa Branca alerta para uma disseminação persistente e ampla do contágio na metade ocidental do país e apelam à adoção de medidas mais restritivas para travar a propagação

"Se as coisas não mudarem, se continuarem no curso em que estamos, vai haver muita dor neste país relacionada com casos adicionais, hospitalizações e mortes". A declaração é do epidemiologista Anthony Fauci e é um alerta sobre o agravamento da pandemia nos Estados Unidos.

Diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas e um dos conselheiros da Casa Branca, Fauci afirmou, em entrevista à CNBC na quarta-feira à noite, que o número de casos está a aumentar em 47 estados, uma situação que está a sobrecarregar os hospitais.

Aliás, a equipa de resposta à pandemia da Casa Branca, da qual Fauci faz parte, alerta para uma disseminação persistente e ampla na metade ocidental dos EUA e apela à adoção de medidas mais restritivas para conter o aumento de infeções, noticia a Reuters.

"Estamos numa trajetória muito difícil, estamos a ir na direção errada", lamentou Fauci, perante a estratégia do país no combate à propagação do novo coronavírus.

De acordo com relatórios semanais, a que a CNN teve acesso, o grupo de trabalho da Casa Branca avisou os estados do centro e oeste do país de que vão ser necessárias medidas mais agressivas para reduzir o contágio.

"Continuamos a ver uma ampla e implacável disseminação na zona do Midwest e Oeste. Isto vai exigir uma mitigação agressiva para controlar a propagação silenciosa e assintomática e a propagação sintomática", lê-se num dos relatórios.

Perante este cenário de agravamento da situação epidemiológica, o grupo de trabalho da Casa Branca pele aos estados que intensifiquem as medidas de saúde pública, como o uso de máscara de proteção e a distância social. Pedem que se evite multidões na via pública e as pequenas reuniões em privado.

A estação de televisão norte-americana dá como exemplo a situação em Dakota do Norte, o estado com mais novos casos por 100 mil habitantes registados esta semana.

A task force de resposta à pandemia alertou ainda vários estados para os festejos do Halloween, que acontecem já este fim de semana. Avisou os estados de que devem estar preparados para "garantir que todos os residentes estejam cientes do potencial de disseminação viral durante as reuniões de Halloween".

Na quarta-feira, os EUA registaram, em 24 horas, mais 1000 mortos por covid-19, de acordo com a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

Com este balanço, o país atingiu os 226 604 óbitos, com 8 848 875 milhões de casos confirmados desde o início da pandemia, depois de terem sido identificados 75 468 contágios num dia.

Mais Notícias