Aumento de novos casos. Catalunha ameaça com confinamento total se situação não melhorar

Numa semana, os novos casos de covid-19 na Catalunha passaram de cerca de 3.500 para 5.500, informou o presidente do governo regional.

A situação é "muito crítica", avisou o presidente do governo regional da Catalunha sobre o aumento de casos de covid-19 na região. Esta segunda-feira, Quim Torra, alertou a população para a gravidade do que está a acontecer: "se continuarmos com este ritmo de vida social só vamos piorar a situação".

Apelou à responsabilidade individual de cada cidadão para que se evite o regresso às medidas mais restritivas para travar a propagação do vírus. Aliás, o presidente da Generalitat ameaça mesmo com o regresso ao confinamento total caso a situação epidemiológica na região não apresente uma evolução positiva nos próximos 10 dias.

"Está nas nossas mãos. Não quero que este país volte a março. Faremos tudo para que isso não aconteça. É um esforço coletivo e solidário", afirmou. Destacou, no entanto, que "é essencial" que se cumpra com todas as regras. "Arriscamos as nossas vidas", enfatizou.

"Trata-se de uma situação demasiado grave para não se dar importância. O aumento de casos é preocupante. Estamos a enfrentar os 10 dias mais importantes deste verão, para saber se, com a solidariedade de todos", podemos reverter a situação crítica, "porque se não conseguirmos, teremos que fazer um retrocesso", avisou Quim Torra.

Segundo o presidente do governo regional, numa semana, os novos casos na Catalunha passaram de cerca de 3.500 para 5.500.

Contou que na última semana foram confirmadas "5.487 infeções em comparação com 3.485" da semana anterior.

A curva epidemiológica parece estar a estabilizar na região de Segria e em Figueres, no município de Girona, mas o mesmo não acontece em Barcelona e na sua área metropolitana. As autoridades reconhecem, aliás, que há transmissão comunitária na capital da Catalunha. "Perante esta situação, o governo irá tomar todas as decisões correspondentes a cada momento" da situação epidemiológica.

"Não podemos relaxar" na utilização de máscaras, no distanciamento físico ou na higiene das mãos, voltou a apelar Quim Torra, que pediu mais contenção na realização de reuniões. "Se seguirmos estas regras, vamos sair disto".

Os apelos do presidente da Generalitat dirigiram-se sobretudo aos mais jovens, uma vez que é o grupo mais afetado pelos novos casos em Espanha. Torra afirmou que a idade média das novas infeções na Catalunha situa-se nos 37,5 anos quando anteriormente era superior a 60 anos.

Não são permitidos ajuntamentos com mais de 10 pessoas

Perante o aumento de infeções, a Generalitat já aplicou restrições sociais para conter a propagação do vírus, incluindo a mobilidade (na cidade de Lleida e em outros seis municípios vizinhos). Em Barcelona e em 13 outros municípios fortes restrições foram impostas para tentar conter o vírus: as praias têm limitações de capacidade; a vida noturna está fechada; os eventos culturais e desportivos estão suspensos e não são permitidos ajuntamentos com mais de 10 pessoas.

Torra pediu sanções "severas" para todos aqueles que não cumpram com as regras estabelecidas para conter o vírus na região. Apesar dos avisos de que a situação é preocupante, o presidente da Generalitat deixou uma mensagem de tranquilidade em inglês a pensar no turismo ao afirmar que, ainda assim, "a Catalunha é um destino turístico seguro".

Mas não é só a Catalunha que está a enfrentar um aumento de casos de covid-19. A situação alastra-se a outras regiões de Espanha, que é o quinto país na Europa com uma maior incidência do vírus, atrás do Luxemburgo, Roménia, Bulgária e Suécia, escreve o El País. De acordo com os dados mais recentes do Centro Europeu de Controlo de Doenças, a 25 de julho, a Espanha apresenta 39,4 casos por 100.000 habitantes, tendo em conta um período de 14 dias.

No último mês, aumentaram os casos e os internamentos por covid-19 em pelo menos 30 das 52 províncias de Espanha.

Na Estremadura, por exemplo, onde 11 novos surtos foram registados desde o final do estado de alarme, os casos cresceram especialmente em Badajoz (região fronteiriça com Portugal), com uma incidência média na semana passada de 23 positivos por milhão de habitantes.

Tendo em conta este cenário de aumento de casos de covid-19, o Reino Unido desaconselhou as viagens "não essenciais" para Espanha e retirou o país da lista de estados que rotula de seguros, o que significa que os viajantes regressados, seja do continente, seja das ilhas terão de passar a cumprir uma quarentena.

Espanha responde ao Reino Unido e diz que é "um país seguro"

Perante esta decisão, Espanha reagiu dizendo que "é um país seguro".

"Como outros países europeus, a Espanha tem surtos. Isso não é incomum. O mais importante é que a Espanha está a fazer um grande esforço para controlar estes surtos", disse a ministra dos Negócios Estrangeiros Arancha González Laya, citada pela AFP.

Os três "principais surtos" que as autoridades de saúde estão monitorizar, dos mais de 280 ativos de covid-19 no país, em Saragoça e Lérida "estão sob controlo", insistiu a ministra.

Além do Reino Unido, outros países tomaram medidas face ao aumento de casos em Espanha. A Noruega impôs uma quarentena, no caso de dez dias, àqueles que chegavam do território espanhol, enquanto a França aconselhou os seus cidadãos a evitar visitar a Catalunha.

Em Espanha, a covid-19 já fez mais de 28 mil mortes e mais de 272 mil foram infetadas com o novo coronavírus desde o início da pandemia.

Mais Notícias