A primeira mulher a usar a boina verde e a integrar a força de elite do exército dos EUA

A cerimónia de graduação realizou-se na base militar de Fort Bragg, na Carolina do Norte, onde, pela primeira vez, uma mulher envergou a famosa boina verde desta força de elite do exército norte-americano.

Ao dirigir-se a "homens e mulheres boinas verdes", o tenente-coronel Fran Beaudette, Comandante do Comando de Operações Especiais do Exército dos EUA, estava a fazer parte de um momento histórico. Desde que esta unidade especial foi criada, na década de 1950, nunca uma mulher tinha concluído o treino de formação e recebido a famosa boina verde, que faz parte do uniforme desta força de elite do exército norte-americano.

"A partir daqui, vão seguir em frente e juntam-se a esta formação histórica dos Boinas Verdes, onde farão o que foram treinados para fazer: desafiar conceitos, derrubar barreiras, desfazer estereótipos, inovar e alcançar o impossível", afirmou ​​Beaudette no discurso da cerimónia de formatura, realizado na quinta-feira, na base militar de Fort Bragg, na Carolina do Norte. A ouvir estas palavras estava a soldado que concluiu o Curso de Qualificação das Forças Especiais. Um treino que durou um ano.

Esta é a primeira vez que uma mulher integra o corpo especial Boinas Verdes, uma das unidades de elite dos EUA, desde que, em 2016, o Departamento de Defesa permitiu a entrada de mulheres para o exercício de funções em unidades de operações especiais.

Embora as mulheres estejam presentes nas forças armadas desde a guerra da independência dos EUA, só a partir de 2016 é que foi permitida a entrada de mulheres em todas as posições de combate.

A cerimónia de formação foi realizada em conformidade com as regras de saúde pública no âmbito da pandemia de covid-19, de acordo com o exército norte-americano, que não revela quem são os elementos das forças especiais para proteger as suas identidades em futuras missões, entre as quais se inserem as ações de combate ao terrorismo.

"Todos e cada um de vocês demonstrou a capacidade de cumprir as normas e competências básicas para a admissão no nosso Regimento", continuou Fran Beaudette, na cerimónia de graduação, onde, pela primeira vez na história, uma mulher soldado usou a boina verde, junto dos restantes colegas da sua classe. "Felizmente, depois de hoje [quinta-feira], os nossos homens e mulheres Boinas Verdes vão permanecer para sempre no coração dos povos livres em toda a parte", referiu ainda Beaudette na cerimónia.

Mas esta não foi a primeira mulher a concluir o treino dos Boinas Verdes. Escreve a CNN que a capitã Kate Wilder não foi autorizada a formar-se em 1980, tendo recebido o certificado de graduação no ano seguinte, após ter apresentado uma queixa de discriminação. Nunca usou boina verde, mas permaneceu nesta unidade de elite até se reformar.

Mais Notícias