A pandemia separou-os. Cinco meses depois conseguiram casar-se

A cerimónia estava marcada para maio, na Malásia, mas os noivos não só ficaram impedidos de casar como de se encontrarem, porque um vivia nos EUA e outro em Londres.

Piriyah e Sandeep Krishnan conheceram-se por acaso, através de uma aplicação de encontros. Ela, uma advogada a viver no Reino Unido, não queria manter relações à distância, ele, um médico em trânsito da Índia para os EUA, onde vive, fez uma escala de uma hora em Londres, e decidiu ligar a app, que lhe mostrou Piriyah. Apaixonaram-se e marcaram casamento, mas com a pandemia não só a cerimónia foi cancelada, como os noivos deixaram de conseguir encontrar-se devido às restrições às viagens aéreas.

Agora, cinco meses depois, conseguiram finalmente casar - o que permitia à advogada viajar para os EUA. E foi na Escócia que encontraram quem os ajudasse a reunir-se.

Foi no caminho de regresso de uma viagem de uma missão médica à Índia que o cardiologista britânico Sandeep fez uma escala em Londres.

"Eu estava em Heathrow e tinha 20 ou 30 minutos [de tempo de espera] então liguei a aplicação a imaginar como seriam as mulheres indianas na Europa. Fiquei curioso. Então, vi o rosto de Piriyah e pensei 'oh, ela é linda'. "Eu tinha que falar com ela, então deslizei para a direita e não pensei mais sobre isso", contou à BBC.

Em Londres, Piriyah também tinha deslizado para a direita ao encontrar um médico bonito na aplicação. Quando se inscreveu na app de namoro, tinha sido muito específica ao dizer que não queria um relacionamento à distância.

Mas Sandeep, que estava tecnicamente apenas no Reino Unido por menos de meia hora, escapou ao algoritmo e esse intervalo foi o que bastou para que os dois se encontrassem.

A primeira vez que se viram foi num cruzeiro de uma semana de Miami a Cuba. O namoro continuou durante um ano e juntos viajaram para sete países. O pedido de casamento chegou depois de um salto de paraquedas na Califórnia.

O casamento estava marcado para em maio, num templo na Malásia, onde se tinham encontrado já uma vez. A pandemia adiou os planos.

Cerimónia aconteceu na Escócia, só com quatro convidados

"Eu estava a regressar dos EUA e quando aterrei no Reino Unido foi no dia em que o presidente Trump impôs a proibição de viagens", recorda Piriyah.

Mais tarde, perceberam que a advogada poderia viajar para os EUA se fosse casada com um cidadão norte-americano e então começou outra aventura: descobrir onde se poderiam casar, o que parecia difícil, tendo em conta a burocracia.

Piriyah tentou todos os conselhos da Inglaterra e foi informada que os casais deveriam notificar fisicamente os serviços um mês antes de se casarem. Tentou a Escócia e foi uma simpática funcionária do Conselho de Stirling que a ajudou.

"Disseram que poderíamos marcar o casamento online e mostrar os documentos físicos no dia do casamento. Casámo-nos 30 dias depois", conta Piriyah.

Sandeep chegou à Escócia em meados de julho para ficar em quarentena por duas semanas. A cerimónia aconteceu em agosto.

O casal teve quatro convidados e os familiares e amigos assistiram online ao enlace, muitos meses depois da data marcada e num país diferente. Estão finalmente juntos, apesar da pandemia e da recusa inicial de Piriyah num relacionamento à distância.

Mais Notícias