Media Lab promove literacia mediática e discute sustentabilidade com workshop "Falando da Europa"

"Clique aqui e saiba como Cristiano Ronaldo perdeu toda a sua fortuna", "Usar máscaras não ajuda no combate à covid-19, conheça o novo estudo revolucionário chinês" ou "Saiba como ficar rico em três passos". Quem nunca se deparou com este tipo de informação na internet?

Com o intuito de educar as novas e futuras gerações de internautas portugueses, e evitar que os jovens caiam em armadilhas conhecidas como "fake news" ou "clickbait", o projeto Media Lab DN e JN, com o apoio da Representação da Comissão Europeia em Portugal, e o Gabinete do Parlamento Europeu, através do Espaço Europa, promoveu, na segunda-feira de 8 de Março, mais uma edição do workshop "Falando da Europa", que orientou cerca de 60 alunos de três escolas distintas, numa sessão virtual.

Participaram nas atividades a Escola Básica e Secundária Gil Vicente, a Escola Básica e Secundária da Sobreira e a Escola Secundária Quinta das Palmeiras. Partilhando uma sala virtual, os estudantes acompanharam a formação da monitora Media Lab Mariana Amorim, a abrir uma discussão sobre desinformação, com literacia sobre temas atuais no universo das redes sociais, como "fake news", "clickbait" e "algoritmos".

Convidados a participar, os alunos deram opiniões sobre notícias falsas, desinformação e métodos seguros de informação. Afinal, como podem os jovens evitar armadilhas e ajudar a combater perfis falsos e informações enganadoras? "Artigos mal escritos, a repetição de palavras como 'manipulação', "conspiração", "ultraje", são bons apontamentos para identificarmos fake news na internet. Em geral, são publicações que mexem com nossas emoções", alertou a formadora.

Convidados, então, a viver uma tarde como jornalistas, os alunos foram divididos por diferentes meios de comunicação: rádio, televisão e redes sociais. Com o objetivo de estimular a análise crítica da informação, desenvolver hábitos de pesquisa e comunicação, os estudantes escolheram editorias (Mundo, Desporto, Economia, Sociedade, etc) e foram convidados a reescrever notícias já publicadas, para compreender o processo de produção de informação.

"Gente bonita come Fruta Feia"

Para concluir a sessão, os alunos tiveram a oportunidade de conhecer e entrevistar a fundadora do projeto Fruta Feia, Isabel Soares. Depois de falar sobre o desperdício de alimentos no mundo (1,3 mil milhões de toneladas por ano) e em Portugal (um milhão de toneladas), a engenheira ambiental foi alvo de uma "conferência de imprensa" com os alunos, que elaboraram e fizeram perguntas sobre o tema. "Produtos disformes, pequeninos, que são rejeitados nos grandes mercados agora ganham vida nova com destino certo", explicou, ao ser questionada, Isabel Soares. "Os alunos mostraram-se bastante interessados. É importante a formação consciente destes futuros consumidores", finalizou.

Cândida Paulos, professora da Escola Básica e Secundária de Sobreira, também celebrou este momento de conhecimento dos alunos. "Dentro daquilo que eles testemunharam, acho que foi uma experiência muito interessante e proveitosa. No ano no passado, tivemos com o projeto pessoalmente, mas virtualmente também mantivemos a mesma qualidade de aprendizagem, participação e interação, o que foi muito positivo", afirmou.

O projeto Media Lab tem uma década de experiência com literacia mediática, levando conhecimento digital e comunicacional a milhares de estudantes portugueses. Com a pandemia da covid-19, o projeto reinventou-se com apresentações online. E, enquanto os estudantes não podem voltar às visitas às redações do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias, prosseguem virtualmente, para ensinar a combater a desinformação.


O Media Lab - Diário de Notícias - é um projeto de educação não-formal cuja missão visa a promoção da literacia mediática e da informação, através de atividades lúdico-pedagógicas para todos os públicos, em prol de uma participação cívica informada e ativa.

Saiba como participar no site do projeto.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG