"Vacina é insuficiente contra a variante Ómicron", diz centro europeu

Teletrabalho, uso de máscaras e evitar locais lotados são medidas necessárias para evitar a propagação desta variante, alerta o Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças.

Uma "ação forte" é "urgente" perante o rápido avanço da variante Ómicron." alertou o Centro Europeu para Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC, na sigla em inglês), esta quarta-feira (15 de dezembro). O Centro Europeu acrescenta ainda que a vacinação por si só não impedirá o avanço da variante.

"Na atual situação, a vacinação sozinha não permitirá impedir o impacto da variante Ómicron, porque não há tempo para cobrir os défices de vacinação existentes", declarou a diretora do ECDC, Andrea Ammon, em comunicado.

Segundo o ECDC, é "muito provável" que a nova variante cause internamentos e mortes, para além das já previstas nas projeções anteriores que diziam respeito à variante Delta.

O organismo europeu defende que se tomem medidas mais "enérgicas" no combate a esta variante.

"É urgente que se adotem medidas enérgicas para reduzir a transmissão, reduzir a pesada carga sobre os sistemas de saúde e proteger os mais vulneráveis nos próximos meses", acrescentou o ECDC, que abrange todos os 27 países da UE, Noruega e Islândia.

Para a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, este relatório evidencia que "os próximos meses serão difíceis".

"A Ómicron pode-se propagar em grande escala e rapidamente, o que significará novas pressões sobre os sistemas de saúde", destacou em declaração à AFP.

"Precisamos que haja o maior respeito possível pelas medidas de saúde pública, aliado a um rápido aumento da vacinação de reforço para enfrentar a Ómicron", disse Kyriakides, acrescentando que é "muito preocupante" que alguns países estejam atrasados na vacinação.

A variante Omicron propaga-se "a uma taxa mais rápida do que qualquer outra variante", advertiu ontem (14) a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Perante este quadro, a agência pediu que se usem todas as ferramentas anticovid disponíveis para evitar que os sistemas de saúde entrem em colapso.

Para o ECDC, usar máscaras, teletrabalho, evitar locais lotados e transportes públicos, ficar em casa quando se estiver doente, manter espaços arejados e um alto nível de higiene "continuam a ser uma prioridade".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG