Exclusivo Sebastian Kurz: a ascensão e queda do 'wunderkind' austríaco

Foi, aos 31 anos, o mais jovem chanceler. Agora, aos 35 anos, obrigado a renunciar por uma acusação de corrupção, anuncia a saída da vida política para se dedicar à família. E deixa a direita órfã.

Foi quando viu o filho Konstantin nascer no sábado, uma experiência que disse ter sido "extraordinária" e melhor do que vencer duas eleições, que Sebastian Kurz tomou a decisão de deixar a política. Aquele que foi, aos 31 anos, o mais jovem chanceler austríaco, foi obrigado em outubro a deixar o cargo por suspeitas de corrupção. Mas muitos acreditavam que era algo passageiro e que, depois de limpar o seu nome, acabaria por voltar. A sua saída deixa o Partido do Povo Austríaco (ÖVP, direita) órfão.

"Não sou santo, nem criminoso. Sou um ser humano com pontos fortes e fracos", disse Kurz numa conferência de imprensa. A decisão de abandonar a vida política "não foi fácil, mas apesar de tudo não sinto nenhuma amargura", explicou, dizendo-se "cansado" por causa de todas as acusações de que foi alvo. "Nos últimos meses, a minha vida política diária já não tem sido uma competição pelas melhores ideias, mas uma defesa contra acusações, alegações, insinuações e processos", referiu. "A minha paixão pela política, que tive enormemente durante dez anos, diminuiu certamente um pouco nesta fase."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG