OMS diz que é moral e tecnicamente errado dar doses adicionais de vacinas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) defendeu ser moral e tecnicamente errado dar doses adicionais de vacinas contra a covid-19 quando uma grande parte da população mundial continua por imunizar, propiciando a circulação e mutação do coronavírus.

"É tecnicamente errado e errado do ponto de vista moral", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na videoconferência de imprensa regular da organização sobre a evolução da pandemia de covid-19, transmitida da sede, em Genebra, na Suíça.

Para Tedros Adhanom Ghebreyesus, é moralmente errado que países avancem com o reforço da vacinação quando outros, os mais pobres, ainda nem inocularam a sua população, por falta de vacinas. Por outro lado, o reforço vacinal com doses adicionais, a seu ver, é tecnicamente errado, porque sem uma "grande parte da população" mundial vacinada, está a dar-se ao novo coronavírus "a oportunidade de circular", favorecendo "o aparecimento de novas variantes que podem ser mais potentes do que a Delta" - atualmente a mais contagiosa de todas em circulação - e escaparem à proteção dada pelas atuais vacinas.

"A administração de doses de reforço não nos ajudará a recuperar da pandemia", sustentou, reiterando que a OMS pediu uma moratória temporária sobre as doses adicionais para que os países mais pobres consigam vacinar a sua população.

O dirigente da OMS relembrou que ainda não há "dados conclusivos" sobre os "benefícios e segurança" da toma de doses adicionais de vacinas contra a covid-19.

Vários países iniciaram ou tencionam iniciar a administração de uma terceira dose para conter a disseminação da variante Delta do SARS-CoV-2.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG