Libertada da prisão a falsa milionária que enganou bancos, hotéis e a elite americana

Anna Sorokin fez-se passar por uma herdeira alemã com fortuna avaliada em 60 milhões de euros e burlou pessoas do seu meio social e a instituições como bancos e hotéis no valor de 263 mil euros

A falsa milionária Anna Sorokin, que se fez passar em Nova Iorque por uma jovem herdeira alemã com uma fortuna avaliada em 60 milhões de euros, tinha sido condenada em maio de 2019 a uma pena compreendida entre os 4 e os 15 anos, foi libertada.

A libertação acontece meses depois de a mulher alemã ter pedido desculpa durante uma audiência de liberdade condicional em outubro do ano passado. "Eu só quero dizer que estou realmente envergonhada e realmente sinto muito pelo que fiz", disse ao New York Post, que obteve uma transcrição. "Entendo perfeitamente que muitas pessoas sofreram quando pensei que não estava a fazer nada de errado", acrescentou.

Agora, Sorokin deverá ser deportada para a Alemanha.

Em abril de 2019, Anna foi considerada culpada de várias burlas a pessoas do seu meio social e a instituições como bancos e hotéis no valor de 263 mil euros entre novembro de 2016 e agosto de 2017.

Anna Sorokin - ou Anna Delvey, como foi conhecida durante um ano em Nova Iorque - chegou à Big Apple alegando que era uma jovem herdeira alemã com uma fortuna avaliada em 60 milhões de euros. O dia-a-dia da jovem baseava-se em acordar em hotéis cinco estrelas, onde pagava cerca de 400 euros por noite e escolher a roupa de marca que iria usar na festa exclusiva dessa noite. Até aqui, tudo parece normal para uma milionária mas Anna acabou por se revelar uma impostora.

Nos hotéis de luxo, o aspeto de Anna, as suas roupas e malas de marca e atitude chegaram para convencer os funcionários. Um hotel teve a jovem como hóspede durante meses, sem nenhum cartão de crédito registado. Quando os responsáveis se aperceberam da situação, ameaçaram expulsá-la mas esta conseguiu arranjar dinheiro para liquidar a dívida e continuar o seu disfarce.

De acordo com uma das pessoas que frequentava os mesmos locais que Anna, esta encontrava-se "sempre nos sítios certos" e fez vários amigos do mundo da moda e das artes plásticas. Anna alegava estar na cidade para abrir um centro de artes, parecido com o conhecido Soho House. Durante o dia visitava diversos espaços para perceber qual o indicado para a Fundação Anna Delvey e falava com vários dos seus novos amigos sobre querer a sua presença no seu espaço.

Apesar de ter alguns comportamentos estranhos, como "esquecer-se de dinheiro", "de devolver o dinheiro que tinha pedido emprestado aos amigos", os amigos nunca desconfiaram que a jovem milionária alemã era afinal uma jovem russa sem nenhuma herança. Um dos amigos de Anna disse que quando esta se esquecia de devolver o dinheiro, acreditava que a jovem "tinha tanto" que não ligava à quantidade que tinha pedido emprestada.

No julgamento, o advogado de Anna disse que esta decidiu mentir sobre a sua identidade e o seu dinheiro com o objetivo de "conseguir vingar em Nova Iorque" e que ao fingir ser milionária o mundo abriria mais oportunidades a Anna e que depois de isso suceder, a jovem pretendia pagar tudo de volta.

Diana Kiesel, a juíza do caso da jovem não aceitou as alegações do advogado mas disse que o caso lhe fazia lembrar uma música de Bruce Springsteen, Blinded By the Light. "Ela ficou cega pelo brilho e glamour da cidade de Nova York", disse em tribunal.

Na altura, Anna optou por não testemunhar em tribunal e disse ser inocente de todas as acusações. A jovem apareceu durante as audiências utilizando grandes marcas como Saint Laurent, Michael Kors e Victoria Beckham, com a ajuda da estilista Anastasia Walker. Um dia, o processo teve de ser adiado por Anna ter tido problemas no guarda-roupa, o que levou a juíza Diane Kiesel a discutir com a jovem: "É inaceitável e inadequado. Isto não é um desfile de moda."

Algumas das pessoas olham para a história de Anna com admiração, já que esta conseguiu viver num mundo elitista difícil de alcançar sem possibilidades monetárias. No verão de 2018, camisolas com a frase Free Anna Delvey tornaram-se parte da moda nova-iorquina e diversas pessoas utilizaram a sua conta de Twitter para apoiar a jovem com a hastag #FreeAnnaDelvey.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG