Justiça dos EUA abre investigação à polícia de Minneapolis

O Departamento de Justiça pretende apurar se as autoridades policiais estão a seguir modelo ou práticas inconstitucionais ou ilegais.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou esta quarta-feira que abriu uma investigação à polícia de Minneapolis, um dia depois de o polícia Derek Chauvin ter sido condenado pela morte do afro-americano George Floyd.

"O Departamento de Justiça lançou uma investigação para determinar se a polícia de Minneapolis está a seguir um modelo ou práticas inconstitucionais ou ilegais", disse o procurador-geral, Merrick Garland.

A investigação, que será separada de uma outra sobre a morte de George Floyd, visa determinar se a polícia de Minneapolis, uma cidade no norte dos Estados Unidos, tem usado sistematicamente força excessiva, incluindo contra manifestações legais.

A investigação também se concentrará na possível discriminação ou maus-tratos infligidos pela polícia a pessoas com problemas de comportamento, acrescentou Merrick Garland.

Se a existência de práticas ilegais for comprovada, o Departamento de Justiça deverá aplicar procedimentos legais que obriguem a polícia de Minneapolis a reformar os procedimentos dos agentes de segurança.

"O Departamento de Justiça agirá de forma decisiva nessa busca por justiça" em Minneapolis, disse Garland.

Sob a presidência de Barack Obama, as autoridades federais tinham já lançado, há anos, investigações judiciais em diversas cidades dos Estados Unidos onde polícias foram acusados de racismo ou de abuso de poder, como Baltimore, Chicago ou São Francisco.

Na terça-feira, o ex-agente policial norte-americano Derek Chauvin foi considerado culpado de todas as acusações no julgamento do homicídio do afro-americano George Floyd.

A morte de Floyd, em 25 de maio do ano passado, provocou uma onda de protestos contra o racismo e a violência policial e o julgamento de Chauvin, em Minneapolis, decorreu sob um forte dispositivo de segurança, especialmente depois da recente morte de um jovem negro abatido a tiro por um outro agente policial.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG