Exclusivo A hora de Kathy Hochul, a sucessora e polo oposto de Andrew Cuomo

A vice que vai ascender a governadora num estado cheio de escândalos políticos é uma líder pragmática e, entre elogios generalizados, é comparada a Joe Biden.

Há um padrão nos políticos do estado de Nova Iorque: há muitos, demasiados, a contas com a justiça ou envolvidos em "escândalos sexuais", o que tanto pode revelar a natureza dos eleitos como a independência e competência do poder judicial. Em 2008 o governador Eric Spitzer demitiu-se por se saber que recorria a prostitutas; o seu vice-governador David Paterson assumiu o executivo, mas desistiu de concorrer em 2010 por suspeitas de corrupção. Em menos de dois anos, Paterson teve cinco vice-governadores, dos quais quatro (dois democratas e dois republicanos) foram acusados de corrupção ou desvio de fundos. Só em 2018, ano em que o procurador-geral de Nova Iorque Eric Schneiderman, sucessor de Andrew Cuomo no cargo, se demitiu por relatos de abusos e violência doméstica, foram condenados sete políticos. Muitos depositam a esperança em Kathy Hochul, a vice-governadora que vai substituir Andrew Cuomo e assumir o governo estadual até ao final do mandato, no final de 2022, para acabar com o círculo vicioso nova-iorquino.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG