Salman Rushdie

Opinião

Identidade política e autocensura

Têm surgido vozes, desde há alguns meses e cada vez com maior nitidez sobretudo no mundo académico, interrogando-se até que ponto é aceitável no âmbito da investigação científica e do debate racionalista essa espécie de autocensura, resultado de posições marcadamente reacionárias, que impedem o debate sobre determinados temas que possam melindrar, mais ou menos indirectamente, qualquer sector da sociedade. Assim sendo, em Julho passado, publicou-se nas páginas da Harper"s Magazine uma carta aberta que alcançou grande repercussão, não tanto porque o seu conteúdo fosse realmente novo, mas pela envergadura e notoriedade dos intelectuais que a assinavam. Personalidades tão distintas como Noam Chomsky, Salman Rushdie ou Francis Fukuyama, juntaram as suas vezes num texto intitulado "A Letter on Justice and Open Debate". Entre outros aspectos, denunciavam o clima intolerante que está a subir de tom no seio das sociedades ocidentais, onde em vez de se fomentar o debate aberto de ideias, se vai impondo um ambiente de intolerância que impede o auténtico desenvolvimento democrático da sociedade moderna, de tal maneira que tudo o que se afaste de uma pretendida norma moral imposta por setores cada vez mais reacionários, sem que este adjetivo implique se são de direita ou de esquerda mas, sim, contrários a quem quer que tolere os que pensam de forma diferente, a ponto de os votarem ao repudio, ao ostracismo e vergonha pública. Isto até se chegar ao nível máximo de refinamento dessa estratégia perversa, que consiste em impor uma cada vez mais férrea e definitiva autocensura.