Premium "Sou cozinheiro há 33 anos e nunca tive vontade de me prostituir ao Guia Michelin"

Uma conversa na cozinha. Foi esse o mote da entrevista ao chef Vítor Sobral, frontal e direto, em que se falou da crise trazida pela pandemia de covid-19.

Numa manhã cinzenta de agosto, no restaurante Peixaria da Esquina, acompanhámos o chef entre panelas, facas e dicas de quem há 33 anos cozinha praticamente todos os dias. Num ápice, e enquanto conversamos, Vítor Sobral ensinou a fazer sardinhas fritas, iscas de coentrada e moelas fritas (as receitas estão disponíveis aqui). Escolheu os ingredientes de propósito a pensar na sustentabilidade: "Para recuperar produtos tidos como menos nobres e de fácil acesso e torná-los novamente utilizados pelo portugueses."

É um esforço que faz há alguns anos e do qual ninguém lhe pode tirar mérito. Foi dos primeiros cozinheiros a fazê-lo em Portugal e nos países onde se fala português. Por essa e certamente por outras razões é comendador da Ordem do Infante D. Henrique, grau atribuído em 2006 que juntou à distinção recebida anos antes (1999) de Chef do Ano pela Academia Portuguesa de Gastronomia.

Ler mais

Mais Notícias