Os dias em um vulcão que deixou uma ilha em pânico

O canoísta Fernando Pimenta soma e segue: no mundial conquistou mais duas medalhas e já soma 106. Esta semana o presidente do Brasil manteve a tendência para estar em destaque: em Nova Iorque devido à Assembleia Geral da ONU acabou a comer na rua pois não podia entrar nos restaurantes por não estar vacinado.

Sábado

Pimenta de ouro, e depois de prata. Tem mais de cem medalhas

Fernando Pimenta voltou a subir a um pódio. Desta feita foi nos mundiais de canoagem: primeiro na prova de K1 1000 metros, competição que ganhou neste sábado (19/9); no dia seguinte foi prata em K1 5000 metros. O canoísta de Ponte de Lima, que representa o Benfica, nesta época já tinha sido medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Tóquio e vice-campeão da Europa - ambas em K1 1000 metros. No final da competição "fez" o um autorretrato: "Gosto de ganhar. Trabalho para vencer. Dedico a minha vida e dia-a-dia em prol de vitórias, de conquistar medalhas para Portugal." E a verdade é que termina a temporada com um total de 106 medalhas conquistadas na carreira.

Domingo

Austrália escolhe submarinos dos EUA e provoca crise

Um contrato de 56 mil milhões com a França "rasgado" pela Austrália que decidiu assinar o pacto AUKUS (iniciais em inglês dos países envolvidos: Austrália, Reino Unido e EUA) para reforçar a cooperação entre os três no âmbito de tecnologias na defesa, como a inteligência artificial, sistemas submarinos e vigilância a longa distância, abriu uma crise diplomática como há muito não se via. Os australianos cancelaram o acordo com os franceses para o fornecimento de submarinos convencionais, o que criou, obviamente, um problema também financeiro. Após muitas críticas, chamadas de embaixadores e acusações, os presidentes Joe Biden (EUA) e Emmanuel Macron fizeram saber que vão reunir-se para tentar diminuir a tensão diplomática.

Segunda-feira

Escolas arrancaram com os problemas do costume

O ano letivo começou e às condições específicas provocadas pela pandemia - circuitos diferentes para entrada e saída das escolas, turmas em bolha, uso de máscara - juntaram-se os problemas "normais": falta de professores devido ao atraso nos concursos, atrasos das editoras na entrega de manuais escolares e, claro, ainda faltam muitos dos computadores prometidos há largos meses. Um clássico também marcou o arranque das aulas: a marcação de uma greve de professores e funcionários nos primeiros três dias de escola.

Terça-feira

ONU. Marcelo quer multilateralismo. Bolsonaro come na rua

No primeiro dia da 76.ª Assembleia Geral da ONU, o Presidente da República defendeu os consensos entre os países como uma forma de resolver as tensões diplomáticas que existem globalmente. Marcelo Rebelo de Sousa defendeu o "multilateralismo" e elogiou o secretário-geral António Guterres - "a pessoa certa no momento certo". Aproveitou também a oportunidade para defender a presença de um país africano, Brasil e Índia como membros permanentes da ONU. Além dos discursos que foram sendo proferidos, esta Assembleia Geral já estava marcada pela atitude do presidente do Brasil: como não está vacinado, condição essencial para entrar num restaurante nos EUA, Jair Bolsonaro decidiu comer na rua. A foto arrisca ser uma das mais célebres do ano.

Quarta-feira

Erupção do vulcão Cumbre Vieja durará entre 24 e 84 dias


No quarto dia de erupção do vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, surgiu um prognóstico sobre o tempo que ainda poderia durar este fenómeno: até 84 dias no pior cenário ou 24 no melhor. As únicas certezas - além das operações de retirada de casa de perto de 10 mil pessoas - que os especialistas têm é que a lava chegará ao mar, fazendo que as águas da costa oeste de La Palma fiquem turvas, e que está a ser emitida uma elevada quantidade de dióxido de enxofre para a atmosfera que atingiu boa parte do território de Espanha, a costa mediterrânica do país, França, Itália, Argélia e Líbia. Além de Marrocos e a Tunísia.

Quinta-feira

Liberdade a chegar. Bares e discotecas só com vacina ou certificado

Uma semana. Falta uma semana para Portugal desconfinar quase na totalidade, segundo o governo. E depois do anúncio do primeiro-ministro de que a 1 de outubro o país vai entrar na terceira fase do programa sucederam-se as vozes a falar sobre o assunto, principalmente por parte dos representantes das discotecas e bares, o único setor que nunca abriu portas depois de março de 2020. Haverá liberdade, mas não total. A máscara ainda será obrigatória nos transportes públicos, grandes superfícies, lares, hospitais, salas de espetáculos e grandes eventos. No meio de tanta liberdade fica um aviso que pode ser importante: ida a bares e discotecas sim, mas só com certificado digital ou resultado negativo de teste à covid-19.

Sexta-feira

Sem imunidade, Carles Puigdemont foi detido em Itália

A figura mediática do dia foi Carles Puigdemont e mais uma ida a tribunal após ter sido detido na quinta-feira na Sardenha (Itália). Alvo de um mandado de captura internacional, o ex-presidente da Catalunha foi ouvido pelos magistrados do Tribunal de Apelo de Sassari que decidiram pela sua libertação embora tenha ficado impedido de abandonar a ilha italiana durante duas semanas. E na Catalunha o governo separatista exigiu "a libertação imediata de Carles Puigdemont" lembrando que esta situação "não ajuda a resolver o conflito". A detenção do ex-presidente foi possível pois já não goza de imunidade parlamentar como deputado do Parlamento Europeu desde 30 de julho.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG