40 anos de UHF em duas noites de concertos

Os UHF celebram quatro décadas com um espetáculo que passará em revista a vasta obra da banda de Almada e contará com a presença de convidados. É já neste sábado na Aula Magna em Lisboa e na Casa da Música a 29.

Foi a 18 de novembro de 1978, na Browns, uma discoteca para os lados do bairro de Alvalade, em Lisboa, que os UHF subiram pela primeira vez a um palco. Era o concretizar de um sonho para aquele jovem quarteto almadense, composto por Américo Manuel (bateria), Renato Gomes (guitarra), Carlos Peres (baixo) e António Manuel Ribeiro (guitarra e voz), que após um ano de ensaios atravessaram o rio para mostrar pela primeira vez a sua música, influenciada pelo punk, mas cantada em português.

Sem o saberem, estavam a iniciar uma verdadeira revolução na música nacional, que viria a ficar conhecida no futuro como o "boom do rock português", para o qual muito contribuiu também o singleCavalos de Corrida, editado pelos UHF em 1980. "Sentimos muitas dificuldades quando começámos. Tinham passado apenas quatro anos sobre o 25 de Abril e estávamos em plena crise financeira. As pessoas de hoje não fazem ideia do que foi o corte nas coisas mais básicas. Os instrumentos musicais, então, passaram a ser taxados ao limite, como um produto de luxo. Além de haver poucos à venda, nós também não tínhamos dinheiro, o que dá bem para ver o cenário em que surgimos", lembra com humor ao DN o líder do grupo, António Manuel Ribeiro, 64 anos, o único dos membros originais que permanece nos UHF.

Acrescenta: "Já era bom conseguirmos aguentar a sala de ensaios e não sermos corridos por causa do barulho, quanto mais ter uma carreira. O nosso único objetivo era gravar um disco, nunca nos passou pela cabeça ter uma carreira, quanto mais durarmos 40 anos." Mas conseguiram-no, num "caso raro de longevidade, tanto em Portugal como no resto do mundo", como realça o músico, que resultou em 15 álbuns de originais e diversas compilações e discos ao vivo, multiplicados por mais de um milhão e meio de exemplares vendidos e quase dois mil concertos.

É este longo percurso que a banda, hoje composta por António Manuel Ribeiro (voz e guitarra), António Côrte-Real (guitarra), Ivan Cristiano (bateria), Luís Simões (baixo) e Fernando Rodrigues (teclas) se prepara agora para celebrar, condensando "40 anos numa noite". Ou neste caso em duas, porque além do espetáculo na Aula Magna, em Lisboa, já neste sábado, 22, os UHF apresentam-se também na semana seguinte no Porto, na Casa da Música, a 29.

"Vai ser um espetáculo muito longo, no qual vamos tentar emocionar as pessoas", afirma António Manuel Ribeiro. Além dos habituais clássicos, como os incontornáveis Cavalos de Corrida, Rua do Carmo ou Matas-me com o Teu Olhar, o alinhamento incluirá também alguns temas menos habituais no repertório do grupo. "Há uma base inicial de canções, decidida por mim, mas que depois foi aconchegada com outras, escolhidas por toda a banda. Há sempre alguns temas que uns querem tocar e vão ter de ficar de fora, mas acabou por ser um processo muito democrático, no qual os nossos convidados também participaram", revela o músico.

São eles o Frankie Chavez, Paulo Furtado e João Pedro Pais, presenças cujo único critério foi "a admiração" de António Manuel Ribeiro por estes artistas. "João Pedro Pais deve ter mais ou menos a mesma idade dos outros dois, mas é mais velho do que eles na música. O Frankie Chavez é um excelente músico, que também escreve muito bem em inglês. Já o Paulo Furtado é um verdadeiro caso à parte no panorama da música portuguesa, pelo trajeto que tem e pelo modo como trabalha para isso. Espero sinceramente que chegue muito longe. É um privilégio ver um artista assim, com esta disponibilidade para arriscar, sempre a fugir das zonas de conforto", sustenta.

Quem também vai subir ao palco é Renato Gomes, o primeiro guitarrista dos UHF, mas esse, como explica António Manuel Ribeiro, não é um convidado, "faz parte da família". Em estúdio ou ao vivo, não é a primeira vez que o guitarrista regressa para trabalhar com a banda que ajudou a fundar há 40 anos, como mais uma vez vai acontecer agora. "Com o Renato não há uma simpatia, há uma empatia total. Crescemos juntos, os Cavalos de Corrida são um filho nosso. Estamos sempre de braços abertos para o receber."

UHF - 40 anos Numa Noite

Aula Magna, Lisboa. 22 de dezembro, sábado, 21.30. €15 a €20

Casa da Música, Porto, 29 de dezembro, sábado, 21.30. €15 a €20

Mais Notícias