Contracultura & cinema

As memórias cinematográficas de Let It Be, o álbum final dos Beatles, vão ser revisitadas pelo realizador Peter Jackson: será o reencontro com um tempo em que os filmes e a música rock mantinham uma riquíssima relação criativa.

Correm mundo as notícias sobre o adiamento das estreias das grandes produções norte-americanas que estavam agendadas para esta temporada de verão. E compreende-se que assim seja: está em jogo toda uma temporada de distribuição/exibição.

Podemos (e creio que devemos) repensar, de forma crítica e construtiva, o estado das coisas nos mercados cinematográficos. Seja como for, não será possível satisfazer tal desígnio sem reconhecer que a globalização gerou uma interdependência perversa: a rentabilização dos maiores investimentos dos estúdios dos EUA tornou-se indissociável dos países estrangeiros; o que quer dizer também, de acordo com as regras vigentes, que a maior parte das salas desses países necessitam dos títulos americanos para garantir a sua sobrevivência.

Vasta e complexa questão, sem dúvida, que vale a pena observar e continuar a discutir. Em todo o caso, podemos também lembrar que não foram apenas os chamados blockbusters (incluindo a nova realização de Christopher Nolan: Tenet) a serem atingidos pela reconversão dos calendários de distribuição imposta pela pandemia. Um dos exemplos a reter será The Beatles: Get Back, o documentário sobre as gravações do álbum Let It Be, dos Beatles, refeito por Peter Jackson - inicialmente marcada para 4 de setembro, a sua estreia foi transferida para 27 de agosto de 2021.

Documentário refeito? Enfim, é uma forma de dizer. O que sabemos é que Jackson, por certo bem distante da lógica criativa e industrial que o levou a produzir e a realizar a trilogia de O Senhor dos Anéis (2001-2003), fez um trabalho que será uma espécie de versão alargada de um outro filme que se chama, justamente, Let It Be, realizado por Michael Lindsay-Hogg e lançado na maior parte dos países europeus há precisamente meio século, no verão de 1970. Aliás, está prevista a sua reposição, em cópia restaurada, a par do lançamento de The Beatles: Get Back.

Obviamente, Let It Be, o filme, ficou indissociavelmente ligado ao luto pelo fim dos Beatles, vivido na avalanche do ano de 1970: o lançamento de Let It Be, o álbum, a estreia do filme e o aparecimento do primeiro álbum a solo de Paul McCartney (aliás, repetindo um "desvio" já consumado pelos outros elementos da banda), tudo isso aconteceu no espaço de poucas semanas. O filme foi mesmo encarado por muitos, e antes do mais pelos próprios Beatles, como o registo incómodo de uma separação.

Convenhamos que tal visão é discutível, não só pelo carinho com que Michael Lindsay-Hogg filma o quarteto, mas também porque o filme inclui o célebre miniconcerto no telhado dos estúdios Apple, numa tarde fria de janeiro de 1969. O certo é que, com o passar dos anos (em que Let It Be nem sequer teve direito a uma edição em DVD), os sobreviventes dos Beatles foram encarando a hipótese de fazer alguma coisa com o material filmado que não foi utilizado. Na prática, garantem as notícias, são 55 horas de película (além de 140 horas de áudio) que Jackson teve à sua disposição.

O regresso a Let It Be, através de The Beatles: Get Back, será uma revisitação de um tempo em que o cinema, e não a televisão (faltava mais de uma década para nascer a MTV), mantinha uma relação forte com o universo do rock. Basta lembrar que 1970 foi também o ano de dois marcos dessa relação. O primeiro, Woodstock, de Michael Wadleigh, já teve a sua efeméride. O outro, Gimme Shelter, tem assinatura dos irmãos Albert e David Maysles, em colaboração com Charlotte Zwerin, e regista a digressão americana dos Rolling Stones em 1969, culminando no célebre e trágico concerto de Altamonte.

São referências cinematográficas que participam desse imenso movimento da década de 1960, recheado de energias contraditórias, que entrou para a história como "contracultura". E se é verdade que as suas singularidades não admitem qualquer paralelismo automático com dados do nosso presente, não é menos verdade que estes são filmes capazes de nos ajudar a refletir sobre um tema fascinante. A saber: as potencialidades de relação entre o cinema e as convulsões da música popular.

Mais Notícias