Premium Treinador à imagem de Klopp, filho de craque e passado VIP. O segredo do líder M'gladbach

O Mönchengladbach é o surpreendente líder da liga alemã, onde costumam reinar Bayern e Dortmund. Depois de terem dominado o futebol alemão na década de 1970, os prussos voltam a sonhar com sucessos.

O campeonato alemão vai com 11 jornadas disputadas e no primeiro lugar não estão os crónicos candidatos Bayern Munique e Borussia Dortmund. A liderança é ocupada pela equipa que tem um dos nomes mais difíceis de soletrar do futebol europeu, o Borussia Mönchengladbach, que ocupa a primeira posição com mais quatro pontos do que o trio que se lhe segue - RB Leipzig, Bayern Munique e Friburgo, todos com 21 pontos. Um período que faz já muitos adeptos sonharem com os gloriosos anos da década de 1970, quando os prussos dominaram o futebol na Alemanha.

A equipa treinada por Marco Rose, técnico de 43 anos que chegou do RB Salzburgo, da Áustria, no início desta temporada, depois de ser bicampeão, está a ser a grande surpresa da Bundesliga. O Mönchengladbach não liderava o campeonato desde a terceira jornada da temporada 2011-12, quando era treinado por Lucien Favre. E a última vez que tinha estado na primeira posição após a sétima ronda da liga germânica tinha acontecido em 1985-86, quando Jupp Heynckes dava os primeiros passos como treinador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.