Premium Sánchez e Iglesias. O abraço após anos a chamarem "mentiroso" um ao outro

Pré-acordo para o governo de coligação é o ponto alto de uma relação que já esteve muito em baixo e que tinha tido até agora o seu auge no acordo para aprovar a moção de censura a Mariano Rajoy.

Um abraço entre o líder socialista, Pedro Sánchez, e o homólogo do Podemos, Pablo Iglesias, selou nesta terça-feira um pré-acordo de governo de coligação entre as duas forças políticas. Uma luz ao fundo do túnel para Espanha menos de 48 horas após os dois partidos terem perdido, em conjunto, dez deputados em relação às eleições de abril, quando após meses de negociações não foram capazes de desbloquear a situação política.

Este é o ponto alto da relação entre os dois madrilenos, Sánchez e Iglesias (o anterior tinha sido a moção de censura a Mariano Rajoy em 2018), que já teve, contudo, muitos baixos causados pela desconfiança entre ambos, que agora parece ter sido esquecida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.