Premium Aconteceu em 1991 - Massacre do cemitério de Santa Cruz em Timor

Foi há 28 anos que aconteceu o massacre no cemitério de Santa Cruz, em Díli, que viria a mudar a história da luta pela independência de Timor.

Timor, 1991. Milhares de pessoas, principalmente jovens, acompanhavam o funeral de um rapaz, que pertencia à resistência. Seguiam para o cemitério de Santa Cruz, em Díli. Lamentavam esta morte e a ocupação da ex-colónia portuguesa pela Indonésia, quando militares indonésios invadiram o cemitério e começaram a disparar sobre os manifestantes. Morreram mais de 300 pessoas.

As imagens passaram nas televisões em todo o mundo e Timor foi colocado nas agendas diplomáticas. "O massacre de mais de uma centena de timorenses - segundo as últimas informações - junto a um cemitério em Díli levou já as autoridades indonésias a experimentar uma clara sensação de isolamento na cena internacional, bem expressa nas posições assumidas pelos EUA e pela Holanda", lia-se na primeira página do DiáriodeNotícias de 13 de novembro de 1991.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.