Premium Fernando Tordo sinfónico no São Carlos

Pela primeira vez na história, a Orquestra Sinfónica Portuguesa junta-se a um autor de música popular para um concerto único com Fernando Tordo, que aproveitará a ocasião para apresentar ao vivo alguns temas inéditos.

Vai ser um momento "muito especial" para Fernando Tordo. Afinal, nunca antes um artista da denominada música popular se havia juntado em palco com a Orquestra Sinfónica Portuguesa, como o autor de Tourada e Cavalo à Solta vai fazer no próximo sábado, 16 de novembro, quando subir ao palco do imponente palco do Teatro Nacional de São Carlos para um concerto "único e irrepetível".

Fernando Tordo começou a cantar durante a adolescência, mas foi em 1968, ao ingressar no grupo Sheiks, do qual faziam também parte Paulo de Carvalho e Carlos Mendes, que se tornou um profissional da música. No ano seguinte concorreu pela primeira vez ao Festival da Canção, iniciando aí uma longa parceria com o poeta José Carlos Ary dos Santos, da qual resultariam vários temas clássicos. Para a história ficaram também álbuns como Adeus Tristeza, o primeiro feito após a morte de Ary dos Santos, em 1983, ou o espetáculo Só Nós Três, com os companheiros de sempre, Carlos Mendes e Paulo de Carvalho, com quem percorreu o país e a Europa numa longa digressão, cujo duplo álbum ao vivo arrecadou a marca de platina. Agora, aos 71 anos e com mais de meio século de carreira, volta a fazer história.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.