Aconteceu em 1957 - URSS propõe entendimento com o Ocidente

"Deixai que o socialismo e o capitalismo concorram livremente", declarou Kruschev, dando início ao período de degelo entre soviéticos e ocidentais.

"Kruschef propõe um entendimento entre o Ocidente e o mundo comunista", destacava o DN, ao lado de outro texto que tinha Moscovo no centro: "A rivalidade entre Jukov e Vassilevski ameaça a unidade do Exército Vermelho".

Nikita Kruschev (à época grafado Kruschef no DN), o homem do ano de 1957 para a revista Time, o líder soviético que abjurou Estaline e os seus crimes, que ultrapassara a tentativa de deposição por parte do chamado grupo antipartido, lança um apelo para o outro lado da Cortina de Ferro.

"Deixemos de nos olhar mutuamente como inimigos e tentemos viver amigavelmente -- estou convencido de que não há outra solução", disse o homem forte da União Soviética entre 1953 e 1964 num discurso em Praga.

"Discursando em honra da delegação soviética oferecida pelo presidente Antonin Zapotocky da Checoslováquia, Kruschef declarou "Deixai que o socialismo e o capitalismo concorram livremente. Vós dizeis que sois contra o socialismo. Nós somos a favor. Tem-se registado muitos casos de pessoas que têm casado sem amor e que não obstante se dão muito bem depois. Não há amor mas basta a compreensão", foram as sensacionais frases chamadas para a primeira página do DN.

No texto ao lado, dava-se conta de que Kruschev temia pelo poder do ministro adjunto da Defesa, o marechal Vassilevsky, um homem cuja carreira estava associada a Estaline e que o DN trata como "adversário aparente" do líder soviético. Fontes diplomáticas previam o seu afastamento, o que veio a acontecer em 1959 quando foi nomeado inspetor-geral do Ministério da Defesa, um posto sem qualquer poder político.

O apelo de Kruschev para o Ocidente, no mesmo ano em que a URSS surpreendeu o mundo com o lançamento do satélite Sputnik, seria posto em causa no mês seguinte, durante a chamada Crise Síria, quando a hipótese de uma revolução comunista naquele país elevou a tensão da Guerra Fria aos píncaros.

Mais Notícias