Premium Queiroz, Mourinho, Benítez e agora Sarri. As desavenças entre Ronaldo e os treinadores

Relação entre CR7 e alguns dos seus treinadores nem sempre foi fácil. Primeiras desavenças foram na seleção e no Real Madrid. Agora, depois de o substituir duas vezes seguidas, convivência com Sarri parece não ser a melhor.

Nem sempre foi fácil a relação entre Cristiano Ronaldo e os seus treinadores. Lançado no Sporting em 2002 por Laszlo Bölöni e na seleção no ano seguinte por Luiz Felipe Scolari, o avançado teve em Alex Ferguson um pai futebolístico durante os seis anos que passou no Manchester United. Mas foi já depois de ter vencido a primeira Bola de Ouro e de ter rumado ao Real Madrid que surgiram os primeiros problemas.

A primeira desavença conhecida aconteceu na África do Sul, após a eliminação de Portugal às mãos da Espanha no Campeonato do Mundo de 2010. Um jornalista pediu explicações a CR7 pela derrota da seleção nacional e o avançado remeteu explicações para o então selecionador nacional. "Quer que eu explique? Fale com o Carlos Queiroz", atirou, enquanto passava pela zona mista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.