Médicos eram pagos a 25 euros à hora e enfermeiros a cinco, mesmo assim não receberam.
Premium

País

Empresa que contratava médicos para as prisões não pagou e desapareceu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. a contratação de profissionais de saúde para o preenchimento de horas nas várias unidades prisionais no ano de 2018. A empresa contratou médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, auxiliares de ação médica e outros, mas não pagou. A DGRSP diz que a responsabilidade é da empresa, à qual pagou à cabeça as horas contratualizadas.

O DN sabe que há ações individuais a correr em tribunal de profissionais que têm quantias avultadas a receber por prestação de serviços, há denúncias que foram feitas aos ministérios da Justiça e da Saúde, à Procuradoria-Geral da República, à Provedoria de Justiça, aos sindicatos e às ordens das classes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.