Benfica sofre segunda derrota da era Lage e sai de Zagreb com o problema Seferovic

Encarnados perderam por 1-0 frente ao Dínamo Zagreb, na primeira mão dos oitavos-de-final da Liga Europa. Em noite desinspirada, lesão do suíço ainda na primeira parte acentuou as dificuldades da equipa.

O Benfica perdeu nesta quinta-feira no campo do Dínamo Zagreb, por 1-0, na primeira mão dos oitavos-de-final da Liga Europa. Numa noite desinspirada e em que o adversário foi ficando cada vez mais confortável com o decorrer do encontro, os encarnados voltaram a sofrer uma derrota, dez jogos depois - o último desaire tinha sido a 22 de janeiro, com o FC Porto, nas meias-finais da Taça da Liga, por 3-1. Até hoje, Bruno Lage somava vitórias em todos os desafios fora do Estádio da Luz.

Com Pizzi e André Almeida a ficarem em Lisboa e a garantia de "gestão de plantel" por parte do técnico encarnado, não surpreenderam as quatro caras novas no onze inicial. Corchia alinhou à direita da defesa e Florentino, Gedson e Krovinovic renovaram quase totalmente o meio-campo encarnado. Renovaram, é certo, mas não resultaram.

O Benfica até entrou bem no jogo e, logo aos 7', Grimaldo apareceu na cara do guarda-redes Livakovic, que evitou o golo. E, assim, estava dada a única amostra verdadeira de perigo por parte da equipa portuguesa.

A vontade do conjunto croata ficou rapidamente demonstrada, bem como o plano de tentar executar simples e rapidamente. Corchia não foi dos piores em campo do Benfica, mas durante a primeira parte teve uma dor de cabeça chamada Orsic, visto que os ataques croatas eram a maioria das vezes balanceados para a esquerda.

Bola sim, perigo não

Não foi só na primeira parte que o Benfica dominou a posse de bola. Aconteceu durante todo o encontro, mas sem sucesso, confirmando a desinspiração encarnada.Por outro lado, o Dínamo Zagreb apenas foi ficando mais confortável, tentando explorar o ataque quando podia.

E assim foi. Aos 18', aconteceu a primeira boa defesa de Vlachodimos, após remate de Dani Olmo. E, a meio do primeiro tempo, Orsic criou perigo, em diagonal da esquerda, tal como Kadzior, do lado oposto. Os croatas, sem conseguirem criar perigo nas imediações de Vlachodimos, optavam sem rodeios pelos remates de longe.

Lesão de Seferovic e golo sofrido em poucos minutos

A ligação encarnada não era a melhor no último terço do campo e o rendimento estava longe do apresentado noutros jogos. Não havia a velocidade de Rafa, nem a criação de Pizzi, e Krovinovic não aproveitou a oportunidade dada por Bruno Lage, não sendo o elemento criativo de que a equipa precisava.

Como tem sido hábito, João Félix e Seferovic eram voluntariosos, mas à meia hora de jogo o avançado suíço foi obrigado a sair do encontro. Cervi entrou em campo, empurrando Krovinovic para uma posição de segundo avançado atrás de João Félix, que tentava ocupar a vaga de referência.

A lesão do suíço foi um golpe duro nas intenções do Benfica, que não conseguiu acertar o seu jogo. Os colegas sentiram a ausência do jogador que tem sido o homem golo, mas é também muito importante na profundidade e nos movimentos laterais. Será muito importante perceber o tempo de ausência de Seferovic e as implicações no plantel, que apenas tem Jonas para ocupar o lugar.

Ainda os encarnados estavam a tentar adaptar-se à reorganização dos seus jogadores quando o Dínamo Zagreb se adiantou no marcador, aos 38'. Rúben Dias cometeu falta sobre Dani Olmo dentro da grande área e Petkovic aproveitou a soberana ocasião, fazendo o 1-0 de grande penalidade. Ainda antes do intervalo, Vlachodimos salvou a equipa do 2-0, quando o Gojak apareceu na cara do guarda-redes.

Mudanças de Lage não evitaram conforto adversário

Para a segunda parte o Benfica precisava de ser mais rápido na procura da baliza adversária, quer na profundidade quer de forma mais organizada, mas encontrou um Dínamo Zagreb bastante confortável com o desenrolar do jogo e agradado com a vantagem no marcador. Depois do descanso, Orsic voltou a causar problemas pela esquerda, logo aos 48', mas acabou por se tornar menos influente com o passar dos minutos.

Os jogadores encarnados ainda ensaiaram minutos de maior intensidade, mas os croatas não estavam preocupados em ver a bola do outro lado, aguentando expectantes pela sua oportunidade. Bruno Lage lançou Rafa para a última meia hora, mas o português não foi a influência positiva dos últimos jogos, apenas mais uma adição à incapacidade encarnada. Pouco depois entrou Zivkovic, mas a equipa também não reagiu à entrada do sérvio. Por esta altura, bem dentro da segunda parte, era visível que o Benfica se tinha colocado num problema do qual não iria conseguir sair, independentemente das mudanças operadas.

Pouco assustado com a equipa da Luz, o guarda-redes Livakovic entrou em jogo aos 83', quando defendeu facilmente um pontapé longínquo de Grimaldo, na marcação de um livre. As ocasiões de golo voltariam a aparecer nos minutos finais, mas apenas para os croatas. Aos 89', Orsic rematou de primeira, já dentro da área, por cima. E, aos 90+2', Ferro evitou que Gavranovic ficasse frente a frente com Vlachodimos. O guardião encarnado também não tinha muitas hipóteses se o cabeceamento de Situm, logo de seguida, não tivesse saído ao lado.

O plano principal de Bruno Lage para a deslocação a Zagreb não resultou, o que ficou ainda mais evidente após a lesão de Seferovic. O treinador tentou então outras estratégias, lançando jogadores do banco e alterando a disposição tática da equipa, mas sem sucesso. Apenas pela segunda vez, o Benfica não marcou golos com Lage no comando.

A segunda derrota do Benfica na era Bruno Lage surgiu na pior exibição da equipa em muito tempo, marcada pela desinspiração, pelos passes falhados e pela incapacidade de resolver questões que apenas pioraram com o avançar do relógio. Mérito para o Dínamo Zagreb, que bloqueou o adversário e quis sempre simplificar, criando e aproveitando o conforto até ao apito final.

A figura: Ferro

Vlachodimos foi importante no final da primeira parte e Corchia, apesar dos problemas dos primeiros 45 minutos, tentou remar contra a maré. No entanto, o jovem central do Benfica foi a figura mais consistente da equipa, tanto no passe como nas ações defensivas. Esteve sempre concentrado, como foi visível nos últimos minutos ao negar uma grande oportunidade a Gavranovic, e continua a mostrar qualidade e consistência.

Ficha de jogo

Jogo no Estádio Maksimir, em Zagreb.

Golos: 1-0, Bruno Petkovic, 38 minutos (grande penalidade).

Dínamo Zagreb: Livakovic, Stojanovic, Théophile-Catherine, Dilaver, Leovac, Sunjic, Gojak (Moro, 78'), Orsic, Dani Olmo, Kadzior (Situm, 84') e Petkovic (Gavranovic, 88').

Treinador: Nenad Bjelica.

Benfica: Vlachodimos, Corchia, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Florentino (Rafa, 58'), Gabriel, Gedson (Zivkovic, 71'), Krovinovic, João Félix e Seferovic (Cervi, 35').

Treinador: Bruno Lage.

Árbitro: Michael Oliver (Inglaterra).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Leovac (68'), Stojanovic (75') e Sunjic (83').

Em direto

Mais Notícias