Portugueses e espanhóis instalam carregadores da EMEL

KLC e Iberdrola venceram o concurso para a instalação de 180 postos de carregamento elétrico sob gestão da empresa municipal de Lisboa

A EMEL escolheu duas empresas para instalar um total de 180 postos de carregamento para carros elétricos. Os portugueses da KLC e os espanhóis da Iberdrola venceram os dois concursos lançados em agosto. Estes postos, com acesso público através da rede Mobi.E, vão começar a ser instalados nas próximas semanas. Os parques de estacionamento geridos pela EMEL vão ter prioridade; mais tarde, os carregadores irão para algumas ruas da capital.

A KLC é o quarto maior operador do setor em Portugal e vai instalar os 18 postos de carregamento rápido (potência mínima de 50 kW) da rede da EMEL. O contrato, que tinha preço-base de 840 mil euros, inclui o fornecimento de um serviço de gestão, operação e manutenção da rede.

A Iberdrola ficou com o contrato mais impactante: vai instalar um total de 168 postos de carregamento em Lisboa. Destes, 108 serão colocados em parques de estacionamento; os restantes vão para "locais estratégicos" das ruas da cidade, que só serão revelados na segunda fase. Mas cada posto pode ter mais do que uma tomada: são 174 fichas com potência de 7,4 kW (carregador normal) e 162 com potência de 22 kW (semi-rápido). O preço-base do contrato era de 564 mil euros.

Antes deste concurso público, a EMEL já tinha em funcionamento 27 postos em cinco dos seus parques de estacionamento, correspondendo a 54 tomadas.

A empresa espanhola, com este contrato, quer dar "choques" na mobilidade em Portugal. "Queremos ajudar o país a ser dotado de infraestruturas para apoiar os clientes com veículos elétricos", disse ao Dinheiro Vivo o responsável da Iberdrola para a mobilidade inteligente em Portugal, Pedro Torres.

"Plano ambicioso"

Presente como comercializadora para a mobilidade elétrica desde 2020, neste ano, a Iberdrola quer crescer como operadora. A comercializadora ganhou o concurso para a instalação de três postos ultra-rápidos nas cidades de Beja, Bragança e Castelo Branco, a serem instalados até outubro. Até ao final do ano vão começar a carregar, em cerca de 20 minutos, automóveis elétricos e híbridos plug-in. Com potência de 150 kW, são de acesso público, ainda raros em Portugal - a única concorrente é a Galp. O contrato tem a duração de 10 anos.

Os dois postos duplos de carregamento do município de Montalegre, com 22 kW, também vão ser geridos pela empresa espanhola durante três anos. Instaladas anteriormente, as tomadas vão ser revistas pela Iberdrola.

A empresa não quer ficar por aqui e compromete-se em "continuar a fazer um investimento na rede pública de mobilidade elétrica". Pedro Torres, sem quantificar, fala num "plano ambicioso até 2030" para tornar a empresa numa "referência na área da mobilidade".

A aposta em parcerias com supermercados e marcas automóveis deverá ser um dos grandes motores do crescimento da empresa num mercado português. O país de origem da Iberdrola está a ajudar na chegada à mobilidade elétrica em Portugal e até poderá facilitar acordos: em Espanha, por exemplo, a empresa está a instalar os 35 supercarregadores da Porsche até ao final de 2022, conforme foi anunciado em novembro do ano passado.

diogofnunes@dinheirovivo.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG