Turismo em Lisboa representa 10 mil milhões de euros, diz Medina

Presidente da Câmara foi anfitrião de conferência para debater sustentabilidade dos destinos turísticos.

As cidades são cada vez mais um destino turístico e o aumento da procura coloca desafios aos municípios nomeadamente ao nível da sustentabilidade. Está a decorrer em Lisboa uma conferência, que reúne membros de 15 autarquias de vários países, maioritariamente europeus, para debater o tema.

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa e anfitrião do evento, recordou esta manhã, em conferência de imprensa, que "há uma década enfrentámos sérios problemas, devido uma recessão profunda, desemprego elevado. Durante décadas Lisboa enfrentou um desafio tremendo que era a desertificação da baixa da cidade". A capital precisa de ter uma economia forte, defendeu, e que a atividade do turística dá um contributo elevado para o desenvolvimento económico da cidade.

"O turismo na cidade de Lisboa representa um valor global agregado de cerca de 10 mil milhões de euros anuais. Estamos a falar de cerca de quatro vezes o que é uma empresa como a Autoeuropa; tem um impacto direto nas exportações; mais de 150 mil pessoas têm empregos direta ou indiretamente ligados ao setor do turismo. Lisboa precisa de ter uma economia forte e o turismo faz parte dessa economia. Ao mesmo tempo, precisamos de ter uma cidade com qualidade de vida, em que haja serviços públicos adequados (...) precisamos de ter uma cidade em que o acesso a direitos fundamentais, como à habitação" sejam também assegurados.

Para o ministro da Economia, a conferência que está a decorrer em Lisboa é importante porque aborda a questão de como "conciliar o crescimento do turismo, que traz mais visitantes, com a capacidade de darmos uma boa experiência e uma partilha equitativa dos benefícios em termos de investimento, emprego e atividade económica para todos os cidadãos das cidades".

Pedro Siza Vieira reconhece que "Lisboa e Portugal afirmou-se nos últimos anos como um polo de atração muito significativo" de turistas e que "Portugal capacitou-se para captar mais turistas e de mercados de origem" mais diversificados. "Hoje os destinos que mais crescem em Portugal estão fora das regiões turísticas tradicionais; conseguimos atrair turistas ao longo de todo o ano e temos a mais baixa taxa de sazonalidade da Europa".

O País tem estado a preparar-se para, por um lado, dar uma "experiência agradável" aos turistas que o visitam, e por outro, assegurar que "os cidadãos não sentem a presença de visitantes como algo que excluí mas como algo que pode ser partilhado".

Entre essas medidas está a linha de apoio à sustentabilidade do turismo, que tem como missão apoiar projetos que envolvam as comunidades no aproveitamento dos benefícios do turismo. "Já apoiamos 21 projetos num total de seis milhões de euros. São projetos-piloto para percebermos como podemos fazer participar as comunidades locais nos benefícios da atividade turística".

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias