Isenção de impostos a prédios reabilitados alargada a todo o país

Idade do prédio é que conta para isenção fiscal. Construção estima que reabilitação clandestina custe 400 milhões.

A localização de um edifício deixa de ser critério para se ter direito aos benefícios fiscais no IMI, IMT e IRS que são atribuídos a quem faz obras de reabilitação. Até agora apenas eram abrangidos os imóveis situados em zonas de reabilitação urbana, assim classificadas pelas autarquias. Daqui em diante é a idade do edifício que conta. E o limite mínimo são 30 anos. Esta é uma das mudanças aos incentivos à reabilitação que chegam com o Orçamento do Estado de 2018 e que se espera que ajudem a combater as obras clandestinas, cujo valor, segundo as empresas, ronda os 400 milhões de euros.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outras Notícias GMG