CEO da Pfizer vende 60% das suas ações e ganha 4,7 milhões

O CEO da Pfizer alienou 132 508 ações no mesmo dia em que foi anunciado que a vacina que esta farmacêutica está a desenvolver revelou uma eficácia de 90%

O CEO da Pfizer, Albert Bourla, vendeu 60% das suas ações na farmacêutica norte-americana, num total de 132 508 títulos, a 9 de novembro, dia em que foi divulgado que a vacina contra a covid-19 que a empresa está a desenvolver em parceria com a alemã BioNTech revelou uma eficácia superior a 90%, avançou o El Economista.

Albert Bourla encaixou cerca de 5,6 milhões de dólares (4,7 milhões de euros), já que a venda ocorreu quando elas alcançaram um preço de 41,94 dólares, perto do máximo que alcançou.

Esta operação enquadra-se na Regra SEC 10b5-1 (SEC é a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA), que permite que diretores e funcionários de uma empresa pré-determinem um plano de venda de ações em conformidade com os regulamentos para evitar investimentos com base em informações privilegiadas e material confidencial.

Os regulamentos da SEC determinam que esses planos de venda têm de ser estabelecidos ou modificados pelo menos 30 dias antes de as transações serem efetuadas.

Com base nas regras do regulador norte-americano, o plano de Albert Bourla já tinha sido aprovado.

Segundo um porta-voz da Pfizer, Bourla, que está há 25 anos na empresa farmacêutica, é dono de "uma quantidade substancial de ações" sob diferentes planos de poupança e teria dado autorização à empresa que as gere para vender se fosse alcançado um determinado preço. Ainda assim, ainda tem cerca de 82 mil títulos.

A vice-presidente da Pfizer, Sally Susman, também terá vendido parte das suas ações, ganhando 1,8 milhões de dólares.

A Pfizer anunciou na segunda-feira que a sua vacina, que está na terceira fase de testes, tem uma eficácia superior a 90% contra a covid-19. Os ensaios, que envolvem mais de 40 mil voluntários, ainda continuam.

"A proteção nos doentes foi alcançada sete dias após a segunda de duas doses e 28 dias após a primeira, segundo os dados preliminares", indicaram.

Dinheiro Vivo, a sua marca de economia

Mais Notícias

Outras Notícias GMG