Sérgio Conceição: "Na equipa do FC Porto entrava o Ronaldo, o Messi e mais uma dúzia"

O treinador do FC Porto não está preocupado com o atraso de cinco pontos em relação ao Benfica e fala inclusive em grandes momentos frente ao Sporting e ao City. A propósito dos reforços, afirmou que tem tido poucos dias de trabalho com eles.

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, assumiu esta sexta-feira que "o primeiro passo para dar a volta" à situação difícil por que passa a equipa, que não venceu os três últimos jogos, é "ganhar ao Gil Vicente" este sábado (20.30 horas), no Estádio do Dragão, a contar para a 5.ª jornada da I Liga.

"O nosso trabalho e motivação não pode depender de um resultado. Sabemos o nosso caminho e sabemos que não será sempre um mar de rosas. Temos de ter confiança no trabalho, no que os jogadores podem fazer e ir à luta", assumiu, mostrando-se convicto de que nem tudo foi mau: "Em muitos momentos fomos um grande FC Porto em Alvalade e temos também a ideia que fizemos o mesmo com o Manchester City, mas não vivemos de vitórias morais, mas sim de pontos."

O treinador do FC Porto não valoriza demasiado os cinco pontos de atraso para o líder Benfica. "Podemos pensar que, por um motivo ou outro, perdemos, mas estes pontos são recuperáveis. Isto é uma maratona. Amanhã temos a possibilidade de voltarmos às vitórias e de uma forma sólida que é o que quero da minha equipa", frisou.

Questionado sobre se a sua equipa terá, este ano, de jogar o triplo para revalidar o título, Sérgio Conceição prefere dizer que precisa é de "encontrar soluções para ganhar jogos". "Pode ser jogar ligeiramente diferente. Temos de encontrar nuances para surpreender os adversários", frisou, admitindo que "o tempo é pouco" para que os reforços se ambientem rapidamente. "Houve jogadores que trabalharam um dia antes do jogo com o Sporting. Não posso querer resultados imediatos, afinal entre o jogo do Sporting e do City houve muito pouco tempo para trabalhar. Aos poucos vamos passando a mensagem", disse.

Ainda assim, Sérgio Conceição voltou a deixar um aviso para os jogadores recém-chegados. "Não é fácil chegar ao FC Porto e entrar de caras. Entrava o Ronaldo, o Messi e mais uma dúzia de jogadores. Mas não é o caso. Vieram jogadores de realidades diferentes e é normal que haja um período de adaptação, o que contrasta com a exigência de vitórias", argumentou.

O treinador portista aproveitou a oportunidade para refutar a ideia de ser um treinador conservador por não colocar os reforços a jogar. "O que é isso? Eu nem nas contas sou conservador. Nas primeiras jornadas pus os jogadores que me deram confiança, que jogam comigo há anos. Vocês até apelidaram o FC Porto de rolo compressor pelos golos que fazia. Eu jogo para ganhar sempre, isto não é ser conservador", justificou.

Ainda em relação aos reforços, Sérgio Conceição justificou o facto de o avançado iraniano Mehdi Taremi ainda não ter tido oportunidade no onze inicial. "Trata-se de um excelente jogador, que se movimenta muito bem no último terço. Treinou meia dúzia de dias comigo e foi para a seleção, onde esteve 15 dias. Voltou e agora não posso treinar com ele. Conhece o campeonato, mas entrar na dinâmica da equipa é outra coisa", disse antes de falar sobre o outro reforço para o ataque: "O Toni Martínez trabalhou comigo 15 dias na preparação do jogo com o Sporting. O Taremi esteve um dia comigo. E acham estranho que tenha sido o Toni Martínez a entrar primeiro? Sou verdadeiramente intratável quando perco. Não gosto de perder. Acham que eu quero perder? Não meto o Taremi porque gosto de perder? Não faz sentido."

Questionado sobre se o menor rendimento de Marega se deve ao facto de jogar sozinho no ataque, o técnico portista alertou para o facto de não podermos olhar só para os avançados. "Temos de olhar para os alas e para o duplo pivot. Quando jogava em 4-4-2 sentia que jogava com quatro médios. Não posso jogar em 4-2-4. O Otávio é um ala diferente do Luís Díaz. Se meter o Otávio ou o Luís Díaz no lado esquerdo vão dar coisas diferentes ao jogo. O Otávio funciona mais como médio e o Díaz como avançado", explicou, acrescentando que Otávio "tem um problema muscular" e, como tal, está em dúvida para o jogo com o Gil Vicente, do qual "Luís Díaz em princípio está fora".

Sérgio Conceição alertou para o facto de o Gil Vicente não perdeu os três jogos que fez para a Liga e apenas sofreu um golo. "É uma equipa bem organizada e que defensivamente se organiza num 5-4-1. Os alas, quando ganham a bola, transformam-se em três atacantes. Temos de levar o jogo para onde queremos e sentirmo-nos confortáveis, sendo muito fortes ofensivamente e equilibrados defensivamente", argumentou.

Mais Notícias