SAD do Desp. Aves desiste do Campeonato de Portugal

Os avenses, que foram despromovidos ao terceiro escalão por não cumprir os requisitos de licenciamento nas provas profissionais, desistem de competir esta época por não poderem utilizar as instalações do Perafita. Esta é a segunda desistência da prova, depois dos Armacenenses.

A SAD do Desportivo das Aves vai abdicar da participação no Campeonato de Portugal (CdP) de futebol, após ter falhado até terça-feira as negociações com o Perafita para utilizar as instalações do clube de Matosinhos.

"As inscrições fechavam ontem [terça-feira] e nenhum atleta foi inscrito devido às dívidas antigas da SAD. O Aves SAD não vai competir esta época. Fecho definitivo de portas? Não fazemos ideia do futuro", explicou à agência Lusa uma fonte do clube.

Os avenses foram autorizados a usar as instalações do Perafita para arrancar em 11 de setembro os trabalhos de pré-época com 17 jogadores, sob orientação de Paulo Gentil, ex-treinador do clube matosinhense, numa altura em que equacionavam a fusão com o emblema da I Divisão Distrital da Associação de Futebol do Porto.

"Ontem [terça-feira] tinha sido o último dia para que o acordo de arrendamento do estádio para treinos e jogos se realizasse. Como as condições impostas pelo Perafita não foram cumpridas, informamos que, a partir de hoje, não existe mais qualquer margem de negociação com a Aves SAD", lê-se em comunicado emitido pela direção do Perafita, liderada por Pedro Vaz.

O Desp. Aves estava impossibilitado de inscrever jogadores e viu negado o pedido de adiamento do jogo de estreia no CdP, falhando no domingo a visita ao Berço, que de acordo com os regulamentos significa uma derrota administrativa e a dedução de pontos, antes do duelo com o Felgueiras 1932 para a primeira ronda da Taça de Portugal.

"A equipa estava preparada para o próximo jogo e fomos todos surpreendidos. Por questões logísticas, processuais e económicas, transmitiram-nos que o clube não teria condições para competir no Campeonato de Portugal. Lamento pelos atletas valorosos que cá estavam, mas fica a frustração", partilhou à Lusa o treinador dos avenses, Paulo Gentil.

O Aves SAD reprovou em julho os requisitos de licenciamento nas provas profissionais de 2020/21 junto da Liga de clubes e dispensou o recurso para o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma temporada assinalada por sucessivos incumprimentos salariais e culminada com a descida no relvado à II Liga.

A estrutura liderada pelo chinês Wei Zhao tem sido acompanhada pelo administrador judicial provisório António Dias Seabra e beneficia de um Processo Especial de Revitalização (PER), que reparte dívidas de 17,1 milhões de euros por 110 credores.

Já a entidade fundadora, presidida por António Freitas e responsável por ações de destituição e despejo dos órgãos sociais da SAD no Tribunal da Comarca de Santo Tirso, inscreveu uma equipa sénior na II Divisão distrital da Associação de Futebol do Porto.

O Desportivo das Aves SAD (série B) junta-se ao Armacenenses (série F) no lote de desistentes após o sorteio do Campeonato de Portugal, que registou nove adiamentos e três faltas de comparência nos 47 jogos programados da primeira jornada.

De acordo com o artigo 68.º do Regulamento Disciplinar do órgão federativo, "o clube que não compareça injustificadamente em dois jogos oficiais consecutivos ou três interpolados é sancionado com impedimento de participação em competição entre uma e três épocas desportivas e cumulativamente com multa entre 10 e 20 unidades de conta".

Mais Notícias