Tanak fez xeque à concorrência no regresso a Arganil 18 anos depois

O piloto estónio Ott Tanak (Toyota Yaris) deu um sinal de força em Portugal, ao 'cavar' uma vantagem de 17,3 segundos logo no primeiro dia do Rali de Portugal, sétima prova do Campeonato do Mundo.

Com o francês Sébastien Ogier (Citroën C3) a ter de limpar os seis troços cronometrados disputados na região centro, 18 anos depois da última passagem por Arganil, que teria um papel decisivo.

O espanhol Dani Sordo (Hyundai i20) aproveitava a posição na pista (partiu em oitavo), já sem gravilha a comprometer a aderência, para saltar para o comando do rali, com 4,2 segundos de vantagem sobre Tanak, que partia logo atrás de Ogier.

Mas a Toyota fez um trabalho intenso de preparação das afinações do carro tendo em vista a pouca aderência que o seu piloto iria enfrentar na primeira passagem pelos troços de hoje em Lousã, Góis e Arganil.

O estónio respondeu a Sordo em Góis, recuperando 3,2 segundos, enquanto os pilotos do WRC que o precediam se queixavam do pó, apesar do intervalo de quatro minutos dado pela organização entre a partida de cada concorrente.

O primeiro sinal de mudança foi dado pelo francês Sébastien Ogier (Hyundai i20), que ficou parado em pleno troço de Arganil com falta de pressão de combustível no seu carro.

Dani Sordo foi afetado pelo mesmo problema que atrasou Loeb poucos metros depois de dar início a esse mesmo troço de Arganil. O espanhol, que na altura liderava por meio segundo, perdeu mais de 18 minutos, caindo para o 43.º lugar, logo atrás do francês.

A Hyundai optou por manter os seus dois pilotos em prova em vez de recorrer ao sistema super-rally, que custaria a perda de 20 minutos em penalizações, a pensar em chegar ainda aos pontos.

Sem concorrência à vista, Tanak levantou voo e saltou definitivamente para a liderança, com 6,9 segundos de vantagem para o companheiro de equipa, o finlandês Jari-Matti Latvala (Toyota Yaris).

O irlandês Kris Meeke (Toyota Yaris), que em Góis perdeu seis segundos devido a uma avaria nos intercomunicadores, que o deixou sem notas, era já o terceiro, a 14 segundos.

Com os problemas nos Hyundai resolvidos à tarde, Sordo venceu outra vez na Lousã, antes de furar em Góis 2.

O finlandês Teemu Suninen (Ford Fiesta) foi o mais rápido nesse quinto troço, antes de o belga Thierry Neuville (Hyundai i20) recuperar a confiança perdida com o despiste na ronda anterior, no Chile, e vencer as duas especiais que encerraram o dia, em Arganil e em Lousada.

"Vamos tentar chegar ao segundo posto pois o [Ott] hoje simplesmente voou", disse o piloto da Hyundai, terceiro do campeonato à partida desta prova.

De facto, apesar de não ganhar mais nenhuma especial, o estónio terminou o dia com 17,3 segundos de vantagem sobre Latvala e 22,8 para Kris Meeke.

Neste momento há quatro pilotos separados por 8,5 segundos entre a segunda e a quinta posição.

Ogier defendeu-se bem durante a tarde e terminou a 25,8 segundos do líder, mantendo as aspirações a uma boa pontuação em Portugal.

No sábado cabe a Dani Sordo e Sébastien Loeb a ingrata tarefa de abrir a pista nos 160,7 quilómetros dos troços de Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto e Amarante, a percorrer por duas vezes.

No WRC2 a luta pela vitória também segue animada, com o norueguês Ole Veiby (Volkswagen Golf R5) na frente, mas com apenas 4,1 segundos para o checo Jan Kopecký (Skoda Fabia R5) e 4,8 segundos para o finlandês Kalle Rovanperä (Skoda Fabia R5).

Mais Notícias