Jorge Silas: "Se o Sporting quiser pode mandar-me embora"

O treinador do Sporting garantiu, na antevisão ao jogo com o Marítimo, que não está agarrado ao lugar e que com ele "é muito fácil chegar a acordo" para sair.

Jorge Silas, treinador do Sporting, desvalorizou este domingo que os 19 pontos de atraso para o líder Benfica. "Confio muito no meu trabalho e mesmo os 19 pontos não me dizem nada. Eu entro no treino e no jogo muito seguro daquilo que vou fazer", afirmou.

Sobre o seu futuro à frente da equipa leonina, garantiu que o seu lugar "está à disposição desde o primeiro dia". "Se tiver de sair do Sporting sairei, como qualquer um sai. Ninguém está aqui agarrado ao lugar. Comigo é muito fácil chegar a acordo para trabalhar ou para deixar de trabalhar. Só estou onde as pessoas me querem e onde também eu quero estar", assumiu.

Silas disse não precisar de garantias de continuidade por parte da direção do Sporting. "Não ando a pedir garantias à direção todas as semanas. A garantia que tenho é um contrato que assinei, mas isso não é uma garantia. Se o Sporting quiser pode mandar-me embora. A única garantia que tenho é o meu trabalho. Querem que a direção me diga todas as semanas que conta comigo? Nem eu faço isso com os meus jogadores. Isso não faz sentido nenhum. O futebol é feito de resultados, pouco importa se a bola vai ao ferro ou à trave", acrescentou.

O técnico leonino lembrou que tem a profissão "mais volátil que existe". "Sei que depois deste desafio vou ter capacidade para trabalhar em qualquer lado, mas uma coisa garanto: eu sou inabalável e nada me consegue mandar abaixo. Agora, claro que os resultados ditam a continuidade dos treinadores, aqui ou lá fora, seja Guardiola, Conceição, Mourinho. Até do despedimento de Bruno Lage já se falou", recordou.

E nesse sentido recusa a ideia de o Sporting já estar a pensar na próxima época. "Não devemos pensar já nisso, até porque temos algumas metas, como por exemplo a Liga Europa. Ainda temos uma segunda volta para disputar e não tenho descartado o segundo lugar. Fui contratado para trabalhar até ao final da temporada e não para ficar aqui três ou quatro anos. Temos o objetivo de passar Famalicão e FC Porto e que o Sp. Braga e o V. Guimarães não nos apanhem", explicou.

Sobre o próximo adversário, o Marítimo, em Alvalade esta segunda-feira às 21.00 horas, Jorge Silas definiu como objetivo "jogar para ganhar com uma boa exibição, criando muitas ocasiões de golo". "Do outro lado vamos ter um adversário que vem de seis jogos sem perder e apresenta um futebol agradável, e certamente que nos vai complicar a vida. Mas temos todos os argumentos para vencer", assumiu.

O técnico revelou que ainda não vai poder contar com o avançado Sporar, contratado na última semana ao Slovan Bratislava. "Temos uma série de condicionantes. O campeonato eslovaco estava parado e, além disso, nos últimos dias teve um problema gástrico. Treinou na sexta-feira, ontem não e hoje treinou de forma condicionada, como tal no treino de amanhã [segunda-feira] ainda vamos ver como ele está fisicamente", disse.

O Sporting está a atravessar a pior sequência de resultados desde que assumiu o comando técnico da equipa, mas Silas garante esse facto nada tem a ver com a indefinição em torno da saída de Bruno Fernandes. "Falhámos muitos golos nos jogos com o Benfica e o FC Porto e o Bruno estava lá nesses jogos, mas tratou-se de uma questão de eficácia. Claro que quando se fazem golos fala-se de uma forma de determinada exibição e quando não se conseguem os tais golos já se fala de uma exibição de outra forma", frisou, garantindo que o capitão tem estado "sempre bem-disposto e disponível para trabalhar". "Percebo que o Bruno esteja mais ansioso, mas não notei isso no treino, nem no jogo. Acho que vai jogar e tenho a certeza que vai jogar bem", garantiu.

Mais Notícias