Darwin Núnez passou fome na infância e agora bate recorde de transferências em Portugal

O avançado uruguaio já confirmou que vai jogar no Benfica, que irá pagar ao Almeria 24 milhões de euros. Os encarnados vão passar a ter o maior investimento de sempre numa só temporada, graças a um jovem a quem reconhecem um enorme futuro.

O uruguaio Darwin Núñez, de 21 anos, confirmou nesta quarta-feira que vai mesmo reforçar o Benfica. O avançado vai tornar-se na contratação mais avultada de sempre do clube da Luz, que vai pagar ao Almeria 24 milhões de euros.

"Assinei por cinco anos. O Almería vai ficar no meu coração, queria despedir-me pessoalmente de todos no clube, pois trataram-me muito bem desde o primeiro dia. Obrigado por tudo", disse o avançado à 'Voz de Almeria'.

Darwin Núñez vai assim ultrapassar o anterior recorde estabelecido também pelos encarnados, quando em 2015 adquiriram ao Atlético de Madrid os direitos sobre o avançado mexicano Raúl Jiménez, por 22 milhões de euros.

Aliás, se tivermos em conta as dez contratações mais caras do futebol português, verificamos que oito delas foram protagonizadas pelo Benfica, sendo todas bem recentes: Everton (20 milhões de euros), Julian Weigl (20), Raúl de Tomás (20), Pedrinho (18), Carlos Vinícius (17), Rafa Silva (16) e Luca Waldschmidt (15). O FC Porto tem as outras duas transferências do top-10, a saber, Óliver Torres e Giannelli Imbula, ambos por 20 milhões de euros.

Com a contratação de Darwin Núñez, o Benfica bate imediatamente outro recorde, o de maior investimento de sempre para uma temporada, somando assim 24 milhões de euros do uruguaio aos 57,5 milhões já investidos em Everton, Pedrinho, Waldschmidt, Gilberto e Helton Leite. O que perfaz um total de 81,5 milhões de euros, precisamente mais 18 milhões que o anterior recorde, também do Benfica, que na época passada investiu 63,5 milhões de euros nas duas janelas de mercado. Uma verba superior em apenas 400 mil euros ao que o FC Porto gastou na mesma temporada, mas apenas na janela de verão.

Como curiosidade, refira-se que a época em que o Sporting mais investiu foi em 2017-18, com um total de 47,9 milhões de euros. De resto, Benfica e FC Porto têm mais duas épocas com investimentos superiores a 50 milhões de euros: em 2013-14 os encarnados gastaram 55,75 milhões em novos jogadores, enquanto em 2014-15 foram os dragões a injetar 53,7 milhões de euros em reforços para a sua equipa principal.

Mãe vendia garrafas para alimentar os filhos

Mas quem é Darwin Gabriel Núñez Ribeiro? Trata-se de um avançado uruguaio nascido em Artigas, cidade junto à fronteira com o Brasil, e a quem muitos reconhecem ser o próximo grande avançado da seleção do Uruguai e, consequentemente, um digno sucessor das estrelas Luis Suárez e Edinson Cavani. Aliás, as suas características são mesmo comparadas às de Cavani, jogador que esteve na agenda de reforços do Benfica para esta época, mas cujas negociações acabaram por não ser bem-sucedidas.

Darwin Núñez nasceu a 24 de junho de 1999 e a sua história de vida é marcada pela fome e pela resiliência que sempre demonstrou para ultrapassar as dificuldades. Cresceu no bairro pobre El Pirata, nas margens do rio Quaraí, que marca a fronteira com o Brasil. Ali, quando a chuva é muita, a água galga as margens do rio e inunda as ruas, levando o pouco que as famílias têm.

Para se ter bem a noção das dificuldades por que passava, basta dizer que a mãe de Darwin recolhia garrafas de vidro nas ruas para vender a conseguir algum dinheiro para alimentar os filhos, enquanto o pai trabalhava na construção civil. "Fui criado num bairro pobre e aprendi a partilhar as coisas com os amigos. Assim era na escola, quando não tinha o que comer passava o dia todo na escola e quando saía ia treinar", revelou em entrevista ao jornal El Observador.

A história deste promissor avançado no futebol começou em 2013, quando José Perdomo, antigo médio do Peñarol e da seleção uruguaia, fez cerca de 700 quilómetros até Artigas para observar alguns miúdos num jogo entre uma seleção da cidade e o Bella Unión. E foi aí que um rapaz magrinho lhe chamou a atenção porque facilmente deixava os adversários para trás. Assim que terminou a partida, Perdomo, que era treinador das camadas jovens do Peñarol, foi falar com os pais do miúdo.

Darwin tinha apenas 14 anos quando se despediu dos pais no terminal de autocarros e viajou, sozinho, para Montevideu. Assim que chegou à capital do Uruguai, levaram-no para o centro de formação do Peñarol, mas era muito cedo para uma aventura daquela dimensão. "Não sei o que se passou, mas voltei para Artigas. Um ano depois, voltei e o coordenador da formação, Juan Ahuntchaín, teve uma conversa comigo e disse-me que iam precisar de mim no Peñarol. Foi então que disse aos meus pais que ia ficar", revelou Darwin Núñez.

O gesto do irmão e a lesão que quase o fez desistir

Por essa altura, o irmão Junior estava na terceira equipa do Peñarol e acabou por ser uma importante ajuda para a adaptação do jovem avançado. Só que um problema de família, fez com que Junior decidisse abandonar a carreira de futebolista e regressar a Artigas. "O meu irmão já estava a treinar com a equipa principal, mas teve de ir embora por causa de problemas familiares. Eu também ia regressar a casa, mas ele disse-me para ficar porque tinha futuro no futebol", explicou Darwin, que apesar de ter sido uma situação dura para ele, não esqueceu o gesto do irmão.

Ao ficar em Montevideu, Darwin agarrou-se às dificuldades por que passou na infância para suportar as saudades de casa. E aos 16 anos foi promovido à primeira equipa. Por essa altura, conseguiu que os pais fossem viver com ele em Montevideu. As coisas melhoravam a cada dia que passava até que num jogo do campeonato do seu escalão tudo se desmoronou: ao saltar num lance, o joelho dobrou e rompeu os ligamentos cruzados. Acabou por ser operado e ficou um ano e meio sem poder jogar.

Foi nessa altura que esteve perto de abandonar o futebol. Só não o fez porque se lembrou do sacrifício que o irmão fez para estar perto da família para que ele continuasse o seu sonho no Peñarol.

Quando já estava recuperado da lesão, Darwin voltou a trabalhar com a equipa principal e foi quando o treinador interino Fernando Curutchet lhe disse que ia lança-lo na I Divisão. O sonho estava ali tão perto, mas no momento errado, afinal o jovem avançado não estava preparado nem para se sentar no banco de suplentes porque o joelho ainda lhe doía. Apesar disso, não disse nada aos médicos.

Foi lançado a 22 de novembro de 2017, aos 63 minutos do jogo com o River Plate que o Peñarol perdeu por 2-1, mas Darwin não conseguia fazer o que sabia e com o apito final do árbitro deixou o campo em lágrimas por causa das dores. Consequência? Voltou a ser operado, agora à rótula.

As críticas nas redes sociais e o salto para Espanha

Voltou em pleno em 2018, ano em que foi convocado para a seleção uruguaia de sub-20 para preparar a Copa Sul-Americana no ano seguinte. Ali voltou a ter outro revés, pois as suas exibições começaram a cair, não suportava as críticas que lia nas redes sociais. Foi então que o psicólogo da seleção fez um trabalho específico com ele para ultrapassar esse problema e o passo para que tudo voltasse ao normal, foi Darwin deixar de consultar a internet no telemóvel.

A forma como brilhou nas seleções jovens e no Peñarol, onde marcou três golos em oito jogos em 2019, fez o Almeria investir 4,75 milhões de euros na sua contratação. A II Liga espanhola era a porta de entrada na Europa, mas também um meio para compensar os pais pelos sacrifícios que fizeram. No momento em que deixava o Uruguai para rumar a Espanha, Darwin Núñez revelava que, finalmente, podia comprar uma casa em Artigas para os seus pais. É a forma de compensá-los por tudo o que fizeram por ele quando não tinha sequer um par de sapatos. "É verdade que fui para a cama com o estômago vazio, mas a minha mãe foi deitar-se mais vezes sem comer para que nós estivéssemos alimentados. Não me esqueço disso", disse há um ano.

Agora, Darwin Núñez está a um passo do Estádio da Luz protagonizando uma transferência milionária. É um passo de gigante para confirmar todas as qualidades que lhe reconhecem e um dia, quem sabe, chegar ao nível do seu ídolo Edinson Cavani.

Mais Notícias