Capitão do Manchester United culpado de três crimes na Grécia

Tribunal deu como provado que Harry Maguire cometeu os crimes de agressão agravada, resistência à detenção e por repetidas tentativas de suborno, numa saída noturna na última quinta-feira.

Harry Maguire, capitão do Manchester United, foi declarado culpado de três crimes na sequência de desacatos que protagonizou na ilha grega de Mykonos, onde passava férias.

O internacional inglês de 27 anos foi julgado esta terça-feira num tribunal da ilha de Syros, tendo sido condenado por agressão agravada, resistência à detenção e por repetidas tentativas de suborno.

Maguire foi condenado a uma pena de 21 meses e 10 dias de prisão, que fica suspensa por um período de três anos. O futebolista já afirmou a sua intenção de recorrer. Entretanto, o selecionador inglês Gareth Southgate já o retirou da convocatória da seleção.

De acordo com a BBC, na noite do incidente, na última quinta-feira, Maguire foi preso juntamente com o irmão Joe e o amigo Christopher Sharman, depois de uma briga causada por um alegado ataque à sua irmã, a quem alegadamente tentaram dar a chamada injeção da "droga da violação".

O tribunal tinha sido solicitado a adiar o julgamento, mas acabou por se realizar apesar da ausência de Maguire, bem como do seu irmão e do amigo.

Riscado da seleção

Harry Maguire saiu entretanto das escolhas do selecionador Gareth Southgate para os desafios da Liga das Nações, depois de ter sido condenado a 21 meses e 10 dias de prisão com pena suspensa de três anos.

A decisão foi anunciada pela federação inglesa (FA) poucas horas depois de o companheiro de Bruno Fernandes e Diogo Dalot no Manchester United ter sido declarado culpado pelo tribunal, face à agressão a um polícia, tentativa de suborno, lesões corporais e insultos verbais na Grécia. O central já indicou que vai recorrer de decisão.

"Perante os acontecimentos desta noite, posso confirmar que retirei Harry Maguire da seleção inglesa para os jogos [do grupo 2] contra a Islândia [05 setembro] e a Dinamarca [três dias depois]", disse Southgate, citado pelo comunicado do organismo.

O selecionador nacional acrescentou ainda que "falou com o Manchester United e com o jogador", frisando que "tomou a decisão a pensar no melhor interesse de todas as partes"

Mais Notícias