Um diabo chamado Haller e muitos erros dão cabo de um leão moribundo

O Ajax goleou o Sporting em Alvalade por 5-1, com quatro golos da autoria de um só jogador. Erros, nervosismo e pouca experiência europeia explicam descalabro leonino.

O Sporting teve um regresso humilhante à Liga dos Campeões, quatro anos depois de ter marcado presença pela última vez na competição milionária. No jogo de estreia no Grupo C, os leões foram goleados em Alvalade pelo Ajax, por 5-1, numa partida onde sobressaiu um herói - Haller, autor de quatro golos. Ficou demasiado evidente a maior experiência europeia dos holandeses. Um facto, aliás, assinalado por Rúben Amorim na véspera, que disse que a sua equipa iria tentar combater essa lacuna com ousadia e irreverência. Mas nem nos piores pesadelos o treinador leonino pensaria terminar o jogo com uma goleada de mão cheia!

O clube de Alvalade entrou em campo com um onze diferente do habitual (mas no tradicional 3X4X3), onde saltavam à vista as ausências de dois pesos pesados - Coates e Pedro Gonçalves (Pote), apenas o melhor jogador da I Liga da época passada e o melhor marcador do campeonato. O avançado, devido a lesão, tinha ficado também de fora no clássico com o FC Porto (terminou empatado a um golo) de sábado, já o central (castigado) foi rendido pelo jovem Gonçalo Inácio, um dos muitos jogadores leoninos que teve ontem o seu batismo na Champions. O Ajax apresentou o onze esperado, com Erik ten Hag a dispor a equipa num 4X3X3.

O jogo não podia ter tido pior início para o Sporting, que logo aos dois minutos sofreu um golo. Um primeiro remate de Antony bateu no poste depois de desviar num defesa leonino, na recarga Haller marcou de cabeça, num lance onde se exigia mais atenção aos defesas da casa.

Um enorme balde de água fria em Alvalade, com a equipa acusar a desvantagem e a ter grandes dificuldades em termos de posse de bola. O cenário piorou aos nove minutos, com o segundo dos holandeses. Rúben Vinagre (muito intranquilo e nervoso) não teve velocidade para acompanhar Antony, que cruzou para Haller bisar. Pior início era difícil.

Paulinho com dois remates ainda deu ideia de que os leões podiam mudar o figurino do jogo, mas aos 21" uma nova contrariedade para a equipa de Rúben Amorim, com Gonçalo Inácio (deixou o relvado em lágrimas) a sair lesionado e a ser rendido por Esgaio, que se adaptou a defesa central. Perante a tentativa de irreverência dos jogadores leoninos, o Ajax atuava com maior tranquilidade, com boas trocas de bola e os seus jogadores bem posicionados em campo.

Antes do intervalo, contudo, o Sporting que até aí não tinha feito qualquer remate enquadrado, reduziu a desvantagem. Matheus Nunes (até aí o melhor em campo dos leões), pegou na bola e assistiu Paulinho, que mesmo de ângulo apertado, rematou e marcou aos 34", num grande frango do guarda-redes do Ajax.

Só que a festa leonina não demorou muito tempo, porque o Ajax voltou a gelar Alvalade cinco minutos depois. Novamente numa jogada que começou no corredor direito do ataque holandês, Gravenberch serviu Berghuis, que rompeu pela defesa leonina e fez o terceiro. Nunca o Sporting tinha sofrido três golos em Alvalade numa só parte num jogo europeu! E pelo que se viu, muito dificilmente a equipa de Rúben Amorim teria argumentos para virar o resultado. O primeiro tempo terminou com oito remates a favor do Ajax contra cinco do Sporting, e com mais posse de bola dos holandeses (52%/48%).

Golo anulado e... goleada

Os leões regressaram do intervalo com duas alterações - Matheus Reis substituiu o desastrado Rúben Vinagre e Sarabia entrou para o lugar de Jovane. Aos 48", Paulinho marcou de cabeça a passe de Feddal, mas o VAR anulou o golo por fora-de-jogo do avançado leonino.

E como diz a velha máxima que quem não marca sofre, o Ajax deu contornos de goleada ao marcador aos 51 minutos, novamente por Haller (hat-trick) e outra vez assistido por Antony. Estes dois jogadores foram sempre um enorme quebra-cabeças para os atletas do Sporting, que nunca foram capazes de os travar. O que explica em grande parte a goleada.

O Sporting tentou fazer pela vida, esteve muito perto de reduzir aos 52", mas o remate de Porro bateu no poste da baliza de Pasveer. E quase imediatamente a seguir, o herói Haller fez um poker, dando agora contornos de escândalo ao marcador, expondo todas as debilidades da equipa portuguesa, que cometeu muitos erros e nunca mostrou pedalada para contrariar a superioridade do Ajax.

O apito final chegou e confirmou a goleada. Foi o pior resultado sofrido por Rúben Amorim como treinador do Sporting, superando o 4-1 diante do Lask Linz, curiosamente também em Alvalade. No outro jogo do Grupo C, o Dortmund venceu o Besiktas na Turquia por 2-1.

nuno.fernandes@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG