Equipa de Varandas vai entregar declaração de rendimentos

Antigo diretor clínico do Sporting apresentou ao início da tarde desta terça-feira a lista candidata às eleições de 8 de setembro, numa unidade hoteleira em Lisboa

"A candidatura que encabeço tem como missão prioritária unir o Sporting. Vamos acabar com os sectarismos. No Sporting que proponho liderar, todos contamos e todos participamos. Não é um sonho poético meu, pelo contrário. É a união que sustenta a nossa capacidade de ir a jogo e ganhar em todas as frentes. Serei o presidente que garante a transparência na gestão do clube. A minha equipa integrará somente profissionais de mérito, e que não precisam do Sporting para as suas carreiras", garantiu Frederico Varandas, durante a apresentação da sua candidatura à presidência do Sporting, sob o lema 'Unir o Sporting', numa unidade hoteleira em Lisboa.

"O Sporting Clube de Portugal precisa de paz, decência e estabilidade. Precisa de competência, credibilidade, ser respeitado e de se dar ao respeito. Precisa de liderança", começou por dizer, depois da amostragem de um vídeo em que foi recordada toda a ligação do antigo diretor clínico dos leões ao clube.

Frederico Varandas não contornou Bruno de Carvalho e deixou alguns elogios à sua gestão. "Ao presidente cessante devemos obra, como o Pavilhão João Rocha, títulos nacionais e internacionais, sobretudo nas modalidades, e momentos inesquecíveis. Não sou candidato do não a Bruno de Carvalho. Tenho a minha visão sobre o futuro do Sporting. Quero um clube eclético e gigante, com corpo e com alma. Quero todos comigo, todos os que me acompanham nesta visão", considerou, revelando ter os apoios de figuras do universo leoninoentre as quais Jorge Jesus, que considerou "um excelente técnico", mas que "tem contrato com um clube [sauditas do Al Hilal]". "O meu objetivo é terminar no dia 8 de setembro com 170 mil sócios na minha Comissão de Honra. É um processo dinâmico que vai aumentando dia a dia", aditou, pretendendo implementar a obrigatoriedade de os dirigentes do clube serem obrigados a entregar uma declaração anual de rendimentos ao Conselho Fiscal e de Disciplina: "O Conselho funcionará para o Sporting como a Assembleia para os políticos, terá um poder fiscalizador".

O candidato fez questão de salientar que não concordar que o Sporting vá precisar de "dois ou três anos para voltar a ganhar". "A dimensão do Sporting mostra que isso é mentira. Quero deixar uma mensagem de confiança. Chegou o tempo da viragem e da união. A partir de dia 8 de setembro para a frente, o Sporting vai lutar por vitórias em todos os relvados, pavilhões, ringues e piscinas. Esse é o ADN do Sporting Clube de Portugal", atirou, abordando ainda o caso das rescisões de nove futebolistas, que alegaram justa causa: "Se recuperar todos os atletas, melhor. Se não for possível, lutarei para que o Sporting seja recompensado financeiramente o máximo possível."

Frederico Varandas não anunciou a composição da lista que vai liderar, mas apresentou o nome de Francisco Salgado Zenha, "vice-presidente de um grande banco internacional em Madrid", para a área financeira. "Nas próximas semanas detalharei programa e minha equipa", acrescentou, remetendo para a Comissão de Gestão a decisão relativa ao treinador da equipa principal de futebol, mas prometendo uma forte aposta nas modalidades.

Ainda assim, o médico revelou ter know-how sobre o funcionamento do futebol profissional: "O que me fez avançar foi ver que a minha contribuição para o Sporting estava muito limitada nas funções em que tinha. Tenho 11 anos no futebol profissional, sete dos quais no futebol profissional. Tenho um conhecimento acumulado ao longo de horas e horas de contacto com o futebol profissional. Respeito a vontade e o voluntarismo, mas ainda mais o currículo. O Sporting do futuro dispensa o experimentalismo."

Mais Notícias