Primeiro golo de CR7 foi há 15 anos... e nunca mais parou

Tinha apenas 17 anos quando bisou frente ao Moreirense. Laszlo Bölöni e Beto recordam ao DN esse grande momento

Toñito fez-lhe um passe de calcanhar após ultrapassar o meio-campo e a partir daí aquele jovem de 17 anos só teve olhos para a baliza de Roberto Tigrão: arrancou a velocidade supersónica, deixou um adversário para trás, fintou outro que tentou tirar-lhe a bola e rematou à saída do guardião do Moreirense. Este é o resumo do primeiro golo de Cristiano Ronaldo como profissional, cumprem-se amanhã, precisamente no dia em que Portugal defronta Andorra,15 anos. A partida decorreu no velhinho Alvalade e o adversário foi o Moreirense, com o momento mágico a acontecer aos 34", na altura o 2-0, depois de Kutuzov ter inaugurado o marcador à meia hora.

Estava apresentada a mais recente joia da formação do Sporting, que na época anterior já tinha dado à luz Hugo Viana e Ricardo Quaresma, ambos decisivos na conquista do título de campeão nacional. Mas quem o conhecia dizia na altura que Ronaldo era bem melhor... Nessa noite de 7 de outubro de 2002 marcou ainda o 3-0 final, desviando de cabeça um livre indireto de Rui Jorge. Hoje, soma um total de 612 golos, ao serviço de Sporting, Manchester United, Real Madrid e seleção nacional A.

Laszlo Bölöni foi o treinador que o lançou no Sporting, ainda na temporada de 2001-02, quando o chamou a treinar com a equipa principal, tinha apenas 16 anos. No entanto, nessa altura "apenas realizou jogos particulares, a conselho do departamento médico, mas foi importante para a sua integração treinar com jogadores com a experiência de João Pinto, Pedro Barbosa, Beto, André Cruz e Rui Jorge", conta o atual técnico do Antuérpia ao DN. A estreia oficial foi na época seguinte, já com 17 anos, num jogo da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões com o Inter Milão, em Alvalade. Cerca de dois meses depois, surgiu o primeiro golo. "Não fiquei espantado por ter sido uma grande jogada. Sabia o que ele valia técnica e fisicamente. Mas o que mais me surpreendeu naqueles tempos foi a sua mentalidade, pois no campo era um homem como os outros jogadores mais experientes. Só quando estávamos no balneário é que voltava a ser um menino", conta o técnico romeno.

Bölöni, último treinador campeão pelo Sporting, em 2001-02, revela uma aposta que fez pouco depois com o seu advogado, Fernando Seara. "Ele era benfiquista e ficou escandalizado por eu ter dito a uma rádio que o Ronaldo iria ser tão bom como Eusébio e Luís Figo. Então apostei com ele que não só iria ser tão bom como até seria melhor. Ainda estou à espera que ele me pague o jantar.", atirou.

Questionado sobre se ainda acalenta o sonho de voltar a treinar Cristiano Ronaldo no Sporting, na fase final da carreira do futebolista, Laszlo Bölöni é bem claro: "Com todo o respeito pelo Sporting e pelo futebol português, ele não vai voltar a jogar no Sporting. Já fico muito satisfeito por ter tido a coragem de apostar no Ronaldo quando ele era tão jovem. Fico muito orgulhoso com esse facto, mas tudo o que ele conseguiu foi devido ao seu talento", expressou.

Mais velhos sofriam nos treinos

Beto era o capitão do Sporting no Sporting-Moreirense de há 15 anos e recorda-se bem do primeiro golo de Ronaldo. "Partiu quase do meio-campo e no fim picou a bola sobre o guarda-redes. Se fiquei surpreendido com a qualidade do golo? De forma alguma, já todos estávamos habituados a lances daqueles nos treinos", começou por referir ao DN, contando uma história: "Ele tinha um grande descaramento, partia para cima de qualquer jogador... Lembro-me de uma vez em que o Rui Jorge se virou para ele e disse-lhe: "Miúdo, vê lá se te acalmas", depois de ele lhe ter feito um túnel."

Na altura, Beto já reconhecia "enorme potencial e qualidade a Cristiano Ronaldo", mas confessa que estaria a mentir se dissesse que antevia que o avançado "iria tornar-se o melhor jogador do mundo". Apesar de ser o mais jovem do grupo, lembra-se de que Cristiano Ronaldo "era o primeiro a dar o exemplo, ficando a fazer ginásio até mais tarde ou dando voltas ao campo a correr".

Beto acredita que Cristiano Ronaldo vai "continuar a marcar golos durante muito tempo e que consiga jogar até aos 40 anos, mas muito dificilmente continuará até ao final da carreira neste nível altíssimo, pois o desgaste físico será cada vez maior".

Recordista no Real e na seleção

Nos primeiros anos como profissional, Cristiano Ronaldo distinguiu-se muito mais pelas assistências do que pelos golos: no total das cinco primeiras épocas marcou 67, número que foi aumentando desde então, tendo mesmo em algumas temporadas suplantado este total respeitante a cinco anos

O grande ponto de viragem foi dado em 2007-08, quando Alex Ferguson, na altura seu treinador no Manchester United, o desafiou a marcar 30 golos nessa temporada. O avançado português respondeu com 51 em partidas oficiais (seleção nacional incluída) e foi Bota de Ouro - prémio atribuído ao melhor marcador dos campeonatos europeus - devido aos 27 golos que obteve na Premier League.

Desde aí, Ronaldo transformou-se numa máquina de marcar golos e tem batido recordes atrás de recordes. É há muito o melhor marcador pela seleção A de Portugal, com 78 golos, já quase dobrando os 47 de Pauleta e os 41 de Eusébio. Ainda mais impressionante é o que tem conseguido ao serviço do Real Madrid (clube que representa desde 2009), onde já atingiu os 411 golos em 401 jogos realizados, sendo o melhor marcador da história do clube desde 2015, quando ultrapassou o anterior recordista, Raúl González, que apontou 323 golos, mas em muito mais partidas (741). Di Stéfano completa o pódio com 307 golos em 396 encontros.

CR7 já conquistou quatro Bolas de Ouro, em 2008, pelo Manchester United, e em 2011, 2014 e 2015 pelo Real Madrid. Neste ano tudo indica que no dia 23 vai ganhar a quinta.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG