Pódio na Algarve Cup. Seleção feminina cresce à medida que faz história

Portugal venceu a Austrália e terminou o torneio em 3.º lugar, entre 12 equipas. Próximo passo é o apuramento para o Mundial 2019

A participação da seleção feminina de futebol na Algarve Cup foi histórica, com Portugal a terminar no pódio (3.º lugar, depois de vencer a Austrália), algo impensável há uns anos. Foi de longe o desempenho mais positivo nas 25 edições da prova. O melhor resultado que Portugal tinha feito na Algarve Cup, evento anual com algumas das melhores seleções mundiais da modalidade também conhecida como mundialito, tinha sido um oitavo lugar entre 12 seleções (2004 e 2009). Na primeira edição, em 1994, terminou em quinto lugar, mas nesse ano apenas participavam seis seleções.

Depois de somar sete pontos em nove possíveis (duas vitórias e um empate) perante adversárias com muito melhor ranking, (China, 16.ª, Austrália, 4.ª, e Noruega, 14.ª), a equipa de Francisco Neto (37.ª do ranking mundial) ganhou o direito de lutar por um lugar no pódio. Ontem, no jogo de atribuição do 3.º lugar, Portugal obteve um triunfo histórico sobre a Austrália (2-1), que não perdia há mais de um ano .

"Fizemos um mundialito brilhante. Não perdemos, fomos competitivos, conseguimos criar oportunidades de golo em todos os jogos e fomos sempre equilibrados. Conseguimos juntar a isto uma excelente qualificação, para nós foi o mundialito perfeito", confessou o selecionador Francisco Neto.

Ontem, no Estádio Municipal de Albufeira, as australianas entraram fortes, mas foi Nádia Gomes (38") a adiantar Portugal, aproveitando uma oferta da defesa australiana. E, quando as equipas se preparavam para o intervalo, Caytlin Cooper (45"+3) fez o golo do empate - um lance que nasceu num canto e que irritou o selecionador luso.

No segundo tempo, a equipa portuguesa ganhou velocidade com a entrada de Diana Silva em campo e não tardou a chegar ao golo. Aos 56 minutos, Vanessa Marques voltou a adiantar as portuguesas no marcador, com um belo golo de fora da área. A Austrália ainda desperdiçou uma grande penalidade aos 85 minutos - Inês Pereira, a guarda-redes portuguesa, de apenas 19 anos, impediu Emily van Egmond de fazer o 2-2 da marca dos 11 metros. Logo depois o jogo terminou e Portugal festejou efusivamente o triunfo.

A capitã e considerada a melhor jogadora da seleção, Cláudia Neto, que ontem ficou no banco, foi considerada a melhor jogadora do torneio, mas o troféu da melhor portuguesa na Algarve Cup foi para Ana Sereno. Já Diana Silva foi eleita a melhor em campo no jogo com a Austrália: "Acreditámos sempre que podíamos fazer história. Não consigo descrever o sentimento incrível que estamos a viver, pois conseguimos alcançar o objetivo, que era fazer a melhor Algarve Cup de sempre. Este torneio é uma grande preparação para o Mundial que aí vem, dada a sua competitividade e exigência."

A 25.ª edição da Algarve Cup foi ganha por Holanda e Suécia. As más condições climatéricas registadas no Algarve não permitiram que a final se realizasse, tendo a organização decidido atribuir o troféu às duas seleções, que foi simbolicamente entregue às capitãs.

Liga ajudou ao crescimento

A boa participação de Portugal na Algarve Cup confirma o crescimento do futebol feminino português, que em 2017 fez história ao apurar-se para um Campeonato da Europa da modalidade pela primeira vez na história. Esse foi o maior feito de sempre, desde o primeiro jogo oficial de uma seleção feminina realizado em 1981.

Em 2016, a Federação Portuguesa de Futebol decidiu apostar numa liga profissional e a competitividade aumentou. A luta entre o Sporting e o Sp. Braga foi renhida, mas terminou com as leoas campeãs (2016--17). O jogo entre as duas equipas, em Alvalade, teve cerca de 10 000 espectadores. No Jamor foram 12 213 os que assistiram à final da Taça de Portugal, um recorde num jogo de futebol feminino.

A liga profissional teve um impacto considerável ao nível do número de praticantes de futebol feminino, que, segundo dados da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), registaram um aumento de 35,1%. São agora 4132 as futebolistas federadas - 1054 seniores e 3078 na formação. Mas a Federação ambiciona mais, ainda mais agora que o Benfica decidiu juntar-se à família do futebol feminino.

O próximo passo (e objetivo) é conseguir o apuramento inédito para o Mundial 2019. Portugal vai defrontar Itália, Bélgica, Roménia e Moldávia no grupo 6.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG