O velocista dos pés tortos que fugiu do Congo vai ao Europeu de Atletismo

O DN contou a história de Dorian Keletela em julho de 2020. Velocista do Sporting tem passado marcado pela perseguição e sofrimento.

O refugiado congolês, Dorian Keletela, vai disputar a prova de 60 metros dos Campeonatos da Europa de atletismo em pista coberta. O Comité Olímpico de Portugal (COP) anunciou que o velocista do Sporting, de 22 anos, vai integrar a equipa de atletas refugiados da World Athletics na prova de velocidade, no sábado, em Torun, na Polónia.

Dorian tem um passado de perseguição e sofrimento que o trouxe a Portugal em 2017. Os pais morreram quando ele ainda era jovem, tendo ido morar com uma tia, uma politica da oposição do governo congolês, que se viu perseguida e obrigada a fugir do Congo. A tia pediu exílio a um país europeu e conseguiu colocá-lo num avião para Lisboa. Quando chegou ao aeroporto Humberto Delgado, Dorian pediu exílio e foi-lhe concedido, depois de verificarem a sua história.

Era um jovem de 17 anos, assustado e de poucas palavras. Passou por dois centros de refugiados na zona de Lisboa e foi num deles que o atletismo entrou na vida dele. "Perguntei lá no centro onde podia fazer desporto e conheci o Carlos Silva, que é treinador e disse para ir para o atletismo. Disse que eu tinha potencial e mandou-me ir ao Sporting", contou o jovem congolês ao DN, em julho.

Entrou logo para uma das maiores escolas do atletismo nacional e foi treinador por um dos melhores treinadores da velocidade portuguesa (Rui Norte), mas ainda teve de aprender a correr. "Tinha um jeito meio desengonçado e corria com os pés para fora, parecia um pato a correr, e por causa disso foi operado duas vezes ao joelho porque o movimento dos pés causou problemas no movimento dos joelhos", recordou João Abrantes, selecionador nacional de velocidade e hoje seu treinador.

A adaptação foi "complicada por causa da língua e da cultura", mas ele gostou de Portugal e optou por ficar quando fez 18 anos. Agora sente-se integrado e já está a estudar para tirar o curso de Educação Física.

Fã de Francis Obikwelu, Dorian está integrado no programa Viver o desporto - abraçar o futuro desenvolvido pelo Comité Olímpico de Portugal (COP), apoiado pela Solidariedade Olímpica do Comité Olímpico Internacional (COI), que pretende ajudar na inclusão de atletas refugiados, com o objetivo de participar nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, que vão ser disputados entre 23 de julho e 8 de agosto.

Apesar dos pés tortos era muito muito rápido e especializou-se nos 60, 100 e 200 metros. Nos Europeus de pista coberta, Keletela apresenta-se com o 61.º tempo (6,79 segundos) entre os 71 participantes.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG